Na época das flores, as doenças típicas da infância

Escarlatina, roséola, rubéola e catapora estão entre as doenças de maior incidência na primavera. (Foto: Freepik)

A primavera traz com ela as alergias, espirros, insetos e mudanças abruptas de temperatura. Neste período, há aumento na incidência de algumas doenças a Arraso dá dicas de como evitar e cuidar da saúde durante a estação das fl ores.

O principal motivo de espirros e tosses secas nesta estação é devido ao clima seco e quente, ambiente propício para uma maior propagação de agentes infecciosos, médica especialista em imunização, Melissa Palmieri, doenças típicas da infância como escarlatina, roséola e catapora têm maior incidência neste período. Todas são transmitidas pelo contato com pessoas infectadas, por meio da saliva, do espirro e de objetos contaminados, por isso lavar as mãos ou passar álcool gel com frequência durante o dia ajuda a eliminar os germes.

DENGUE E FEBRE AMARELA 3

A primavera trata-se uma época que ao mesmo tempo existem chuvas, existem semanas muito secas por conta do calor, um ambiente propício para o mosquito Aedes aegypti se proliferar. “Como no outono e inverno andamos mais protegidos – com roupas de manga longa e calça – e evitamos atividades ao ar livre, em parques, por exemplo, e assim os casos das doenças transmitidas por mosquitos tendem a diminuir”, explica a especialista.

Procurar um serviço público ou particular para tomar a vacina da febre amarela é importante para se proteger da doença, já a dengue, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a vacinação é recomendada apenas para as pessoas que já tiveram qualquer infecção por um dos quatro tipos de vírus da dengue no passado.

CATAPORA

Catapora é uma doença majoritariamente infantil, cerca de 90% dos casos acontece em crianças menos de 12 anos. Os sintomas da doença são febre, acompanhado de pequenas protuberâncias avermelhadas na pele “As ‘bolinhas’ provocam coceira, que podem deixar marcas e evoluir para uma infecção de pele secundária, se não for tratado”, conta Melissa, ela também informa que a prevenção pode ser feita em duas doses, tanto no serviço privado quanto público de saúde: uma aos 15 meses e outra aos 4 anos de idade. Existem algumas contradições no meio médico a recomendação pode ser as duas doses da vacina ainda mais cedo: aos 12 e 15 meses.

Larissa Anunciato
[email protected]