Natalia Brozulatto vence atletas da seleção no Ceará e fatura título

esporte Natalia Brozulatto viaja para a Hungria e disputa o Aberto de Budapeste. (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Atual campeã dos Jogos Pan-Americanos, Natalia Brozulatto deu mais uma prova no último fim de semana de que está cada vez mais próxima de voltar ao auge. Em boa fase, a lutadora de Piracicaba conquistou o título da Copa Verdes Mares, disputada em Fortaleza (CE). A medalha de ouro na categoria -68 kg veio depois de duas vitórias sobre as atletas da seleção brasileira Gabrielle Sepe e Ana Luiza Silva, que encerraram a participação com a prata e o bronze, respectivamente.

Apesar do triunfo em Fortaleza, Natalia mantém a cautela quando é perguntada sobre o próprio rendimento após a segunda gestação. A karateca, que defende a equipe Sport Way/Selam e representa o Exército Brasileiro, voltou a participar de competições oficiais em junho. De lá para cá, ela acumula seis conquistas nos seis eventos em que participou: Jogos Regionais, Campeonato Brasileiro Zonal, Torneio Aberto de Pernambuco, Copa Joinville, Aberto da Paraíba e Copa Verdes Mares.

“Eu ainda não acho que estou tão bem. O fato é que essa retomada foi menos difícil para mim do que na primeira gestação. Agora, eu estou mais experiente e já sentia dentro de mim que o corpo estava preparado para treinar e ter o bebê”, afirmou a lutadora. “Eu competi até o terceiro, quarto mês de gestação, mesmo sabendo que não poderia levar pancada. Ao mesmo tempo, eu tive muito cuidado com a gestação e sou uma pessoa super saudável, não havia riscos. Não ter parado me ajudou muito”, contou.

CONFIANÇA

Em relação ao nível das adversárias que enfrentou no Ceará, Natalia Brozulatto admitiu que a conquista do título servirá para aumentar a confiança visando a sequência da temporada. “Sei que tenho que melhorar, mas estou gostando do meu volume de luta. A confiança só aumenta, ganhar das duas atletas que estão na seleção brasileira em minha categoria faz com que eu possa melhorar ainda mais. Cometi alguns erros e vou enfrentá-las mais vezes. Tenho que ser uma adversária cada vez mais complicada para ser vencida por elas”, finalizou.

O próximo compromisso da lutadora será fora do país. Nesta terça-feira (4), ela viaja para a Hungria, onde irá disputar o Aberto de Budapeste, novamente na categoria -68 kg. Em 2017, a piracicabana fez quatro lutas e conquistou três vitórias na competição. Na final, houve empate por 0x0. Na decisão da arbitragem, o ouro ficou com a eslovaca Viktória Pillárová. Já a medalha de bronze foi dividida entre as húngaras Dóra Czagány e Réka Virág Vass.

(Líder Esportes)