Noitão do Belas Artes destaca ilustres perdedores

E o Oscar não vai para…
Noitão Caixa Belas Artes. Rua da Consolação, 2.423, Consolação, tel. 2894-5781. R$ 32 (direito a três filmes, exibidos em sequência).

E o Oscar não vai para… Nesta temporada pré-Oscar, o Belas Artes teve a sacada de fazer um Noitão com filmes que colecionaram prêmios, menos o da Academia. Se até o assim considerado melhor filme de todos os tempos – Cidadão Kane, de Orson Welles – foi ignorado, o que esperar, depois disso?

Os títulos desta sexta (e ainda tem o filme surpresa) são quatro. Concorreram e não levaram. Francis Ford Coppola ganhou a Palma de Ouro por seu épico (ou ópera?) sobre a Guerra do Vietnã, Apocalypse Now. Só a cena do ataque de helicópteros ao som da Cavalgada das Valquírias já valeria o Oscar. Ganhou fotografia (Vittorio Storaro).

Sociedade dos Poetas Mortos, de Peter Weir, ganhou a estatueta de roteiro (Tom Schulman). Virou cult, mas, na época, os críticos diziam que banalizava a poesia. Um Sonho de Liberdade, de Frank Darabont, concorreu a melhor filme. Perdeu, claro – é um Noitão de perdedores. Hoje têm status de obra-prima. E Janela Indiscreta? Um grande Alfred Hitchcock, que foi referência para o Blow-Up de Michelangelo Antonioni. Um Noitão de arromba. E dane-se o Oscar.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.