O fazedor de amigos

Não, eu não o conhecia bem.

Há anos, frequento a rua do porto, hoje Parque da rua do Porto, onde depois de avanços na organização daquele espaço, mesmo diante das situações adversas que surgem como consequência dos cenários de um país procurando se encontrar, podemos nos regozijar de lá convivermos.

Num cantinho desse paraíso, num local que goza de grande prestígio pela qualidade do gosto gastronômico que é o Petisco, fica o “Paraná”.

Não se trata do estado do Paraná cuja capital é Curitiba, mas do nosso “Paraná” em seu estado de amigo de todos.

Ali naquele pedacinho de chão, ele serve o seu coco geladinho, para todas as classes de pessoas. Prefeitos, vereadores, juízes, comerciantes, empresários, autoridades, artistas, escritores, metalúrgicos, professores, pescadores, padeiros, motoristas, motoqueiros, ciclistas, engenheiros, arquitetos, velhos, crianças, casais apaixonados e todos os visitantes turistas que nos dão a alegria de suas presenças. Lá está o “Paraná” sempre solícito.

O “Paraná” é transparente, sem ser de vidro, com calor humano tem conversa com todos e dentro da sua simplicidade, conquista a amizade de todos e ainda promove as amizades entre os demais, que se entrelaçam nos seus pensamentos e alegrias.

O “Paraná”, não é a música que entoa para os que praticam a dança da “Capoeira”, mas o “Paraná” é o estado da bondade e do fazer o bem. “Paraná he… Paraná”.

O “Paraná” tem um facão que usa com grande arte para abrir coco. Estou marcando data para fazer um cursinho com ele para aprender como golpear o coco com aquele facão de meio metro que reluz aos raios solares e atinge o coco liberando a sua doçura.

Se você gostar da polpa do coco, depois de tomar a água ele abrirá o mesmo para você saboreá-la. O “Paraná” é o único vendedor de coco que “dá uma banana para você” se você tomou a água e não gostou.

Como podemos ver o “Paraná” é um estado de paz conservado na rua do Porto, e você não precisa sentir medo do seu facão, porque ele só cortará os males que você estiver sentindo.

Vou continuar como freguês de cocos do “Paraná”, pois seu nome é marca de inspirações para pessoas proativas, que querem depositar sua tristeza nos tambores que ficam aguardando para que você deposite ali o seu coco vazio. Sua alma fica leve.

Paraná”, é um dos NOTÁVEIS de Piracicaba e seu nome é: Isaías Marques, uma simplicidade complexa, para sempre servi-lo.