O poder da Inteligência Emocional

Tanto no pessoal quanto no profissional, todos nós somos movidos pelas emoções e uma das ferramentas mais eficazes para entendê-las e gerenciá-las foi traduzida numa linguagem bem acessível por Daniel Goleman, mais conhecida como Inteligência Emocional, uma fantástica e transformadora modalidade de inteligência.

Desde que nascemos, somos direcionados a nos blindar de sofrimentos e derrotas, evitando ou minimizando (de forma direta ou não) nossas emoções. Entretanto, o grande problema é que, depois de adultos continuamos assim, uma vez que fomos erroneamente “treinados”.

Viver intensamente é sentir corretamente as emoções, que são, na verdade, órgãos do corpo psíquico e exercem funções essenciais em nossa mente, consequentemente em nosso corpo, o que explica tantas doenças psicossomáticas. Não somos educados para a emoção e isto tem sido o motivo principal do insucesso da maioria das pessoas.

Defendo, inclusive, que essa educação seja feita o quanto antes, pelo menos a partir dos dois anos de idade, pois, quanto mais cedo, melhores os efeitos positivos.

Casamentos acabam, profissionais são demitidos, injustiças são praticadas, pessoas sofrem, famílias são destruídas, tantos problemas de aprendizado e disciplina nas Escolas e até mortes ocorrendo por pura falta da inteligência emocional.

Pessoas fantásticas aparecem em nossa vida, seja num relacionamento conjugal, profissional ou de amizade e, por considerarmos apenas “nossas” verdades ou por não “nos deixarmos inteligentemente de lado e tentarmos entender o outro”, paradoxalmente somos injustos conosco mesmos, tomando caminhos errados e nos prejudicando ou barrando nossa felicidade. Esse é o ciclo que torna esse mundo tão complicado, como temos o costume de dizer.

Colocamos expectativas exageradas nos outros e quando eles fazem algo que nos machuca, ficamos magoados. Aí trocamos, vamos em busca de novos horizontes, novas esposas, novos maridos, novas atividades, novos cenários. Vamos “cobrindo buracos” de nossa existência com outros buracos, acumulando empregos, namorados, maridos, esposas, dinheiro, bens, solidão, diversões, etc. A troca e o descartável são os nomes do momento e não é a troca, o término, a mudança irracional ou o acúmulo que sacia, que resolve, mas sim a interação consigo mesmo oriunda do autoconhecimento – que gera o prazer inigualável da superação, da evolução, da motivação.

Se você tem sentimentos de medo, angústia ou solidão; dificuldades em lidar com negativas ou frustrações; se acorda cansado, tem dores ou problemas físicos de origem emocional; se sua empresa não alcança os resultados planejados ou há problemas de liderança; se você não consegue dinamizar suas relações interpessoais ou afetivas; não controla a raiva ou outras emoções; se sofre com as consequências da depressão, stress, ansiedade, traumas; se o pessimismo te comanda, se o sucesso e a felicidade parecem coisas inatingíveis, está na hora de dar um passo decisivo para transformar sua vida, de forma prática e inteligente e, se tem dificuldades para conseguir esta transformação sozinho, busque ajuda.

“Uma visão da natureza humana que ignore o poder das emoções é lamentavelmente míope. A própria denominação Homo sapiens, a espécie pensante, é enganosa à luz do que hoje a ciência diz acerca do lugar que as emoções ocupam em nossas vidas”. (Daniel Goleman)