“O Quarteto da Felicidade”

Você realmente já parou para pensar se é feliz ou, então, o que é ser feliz? E, se acha que, pelo menos, já tem um certo domínio deste assunto, apenas para reforçar mais, reflita na frase de Friedrich Nietzsche: “As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras”.

Enfim, que tema fantástico é a felicidade! A neurociência, um dos campos que se dedica ao entendimento da felicidade, acredita que ela é uma habilidade que pode ser aprendida e que está diretamente ligada à nossa capacidade de controlar a mente e nossas emoções e que, também, é um estado físico desencadeado por reações químicas.

Pessoas felizes têm a saúde física extremamente melhor do que pessoas não felizes e, portanto, com dificuldades no entendimento e no gerenciamento da felicidade. Sim! Para ser feliz é preciso, antes de tudo, saber o que é ser feliz; estudar felicidade.

E, falando de reações químicas ligadas à felicidade, compartilho hoje com vocês as funções deste quarteto incrível, que, infelizmente, não recebe a importância devida dos seus proprietários, nós, os seres humanos.

A felicidade produz inúmeros efeitos em nosso corpo, ativando, naturalmente, através do cérebro, um grupo de quatro super-especiais neurotransmissores: dopamina, serotonina, oxitocina e endorfina. Sim, eles, chamados de “os responsáveis pela nossa felicidade”. Você os conhece a fundo? Sentir-se bem transforma nossa motivação, nosso bem-estar e nossa produtividade, em todas as áreas da vida. É isso que você procura? Então, não fique na plateia! Conheça cada um deles e assuma (de maneira simples e natural), o controle desses poderosos neuroquímicos positivos que podem transformar sua vida.

A dopamina nos ajuda a atingir metas e agir com entusiasmo. Quanto mais dopamina, mais entusiasmo! Dica: não comemore apenas grandes resultados. Estabeleça submetas e aprecie cada vitória, mesmo que gradativa. Essa é uma das maneiras de aumentar a produção de dopamina.

A serotonina aparece quando nos sentimos importantes. Solidão e depressão são suas inimigas. Dica: seja mais positivo, reviva conquistas importantes, pois o cérebro não distingue o real do imaginado. Faça exercícios físicos, reduza o consumo de açúcar.

A ocitocina é ligada à intimidade e ao relacionamento afetivo. Ela é essencial para a criação de laços fortes e para o desenvolvimento das interações sociais. Melhora as relações sociais, colabora na diminuição da depressão, da ansiedade e aumenta o desempenho sexual, atuando com a testosterona no sexo masculino e com a progesterona, no sexo feminino. Abraçar alguém é um forte produtor de ocitocina!

Endorfinas são liberadas em situações de stress ou dor e também aliviam a ansiedade e a depressão. Trata-se de um “analgésico”. Praticar exercícios físicos e rir aumenta a produção de endorfina.

Alimentos também podem colaborar nestes processos, porém, nessas dicas dadas acima ou em quaisquer situações, é necessária a orientação ou o encaminhamento prévio de um Profissional da Saúde, sempre.

Veja que nosso corpo pode produzir e colaborar com nossa felicidade, mas precisamos ter atitude e não deixar apenas que o destino cuide disso. Não espere mais para ser feliz, produza a sua felicidade.

E não se esqueça: “A felicidade não é uma dependência, é uma decisão”. (Osho)