O que representa uma escolha de satisfação e sucesso para seu filho?

Pais geralmente esforçam-se demais para a felicidade de seus filhos e algumas vezes, podem apresentar cuidado e preocupação exageradas por meio de cobranças e muitas exigências que podem influenciar no desenvolvimento da sua autoestima.

É importante apontar que investir emocionalmente na educação dos filhos, ajudá-los a desenvolver um bom desempenho escolar, ensiná-los a realizar diversas atividades como: ajudar nos afazeres da casa, horários para as mídias sociais, brincar ao ar livre com os amigos, acompanhar os pais a passeios e mostrarem como atuar de maneira respeitosa, auxiliam os filhos a desenvolver responsabilidade e tornarem-se adultos preparados para as exigências e enfrentamentos da vida.

Vale abordar que preocupação excessiva com o futuro dos filhos pode não ser saudável para seu desenvolvimento emocional, pois essas exigências desmedidas que não consideram a singularidade, complexidade, subjetividade e os limites de cada um dos indivíduos, podem estimular ansiedade, angustia, tristeza e medo de decepcionar os pais.

O mesmo pode acontecer com os filhos de pais que têm um cargo de grande destaque profissional ou famosos, pois ao criar expectativas para a vida dos filhos em busca de garantir um futuro bem-sucedido, vale uma reflexão de que ter sucesso profissional pode ter várias interpretações, se pensarmos que os indivíduos apresentam interesses diferentes, assim o que pode representar ter sucesso para um pode não representar para o outro.

É muito comum os pais almejarem que os filhos tornem-se adultos com condição financeira significativa e seguir os seus passos. Ao julgarem que isso proporcionará sucesso, vale apenas nos casos de haver aptidão e interesse dos filhos, porém é importante a compreensão que os tão amados filhos podem não corresponderem ao que é desejado para eles, principalmente quando as cobranças se estendem para além da família, atingindo o meio social pelos pais ocuparem posição de destaque.

Aí mora o perigo e, consequentemente, a ansiedade, estresse, autoestima diminuída, angústia, tensões como resultado da cobrança da família, ou própria autocobrança dos filhos por medo de decepcionarem os pais que tanto investem e acreditam neles. Sentir-se pressionado e ou sobrecarregado porque não se enquadram no ideal de ‘filho perfeito’ idealizado pelos pais, pode estimular na contribuição para que os filhos se desenvolvam, crescendo sem autoconfiança ou insatisfeitos profissionalmente.

É importantíssimo que a família possa amparar e incentivar sempre as melhores possibilidades de escolhas para os filhos, mais vale a reflexão que essas condutas devem acontecer de maneira compreensiva, moderada e continua, pois quando os pais participam ativamente da vida dos filhos valorizando suas qualidades e atitudes de destaque, eles sentem-se mais confiantes e seguros para construírem os melhores resultados por si mesmos. Ressaltando aos pais leitores que a boa educação dos filhos não deve e nem pode ser resumidas as notas escolares, números nos vestibulares ou rótulos de destaque. Os filhos merecem uma representação única e individualizada, valorizando-os pelas suas características expressamente subjetivas, em como demonstram sua inteligência, curiosidades e criatividades diversas, assim descobrindo com a ajuda e incentivo da família, amigos, demais pessoas ao seu redor, e com seus próprios recursos internos o caminho a ser escolhido e seguido por ele mesmo, construindo seu próprio sucesso e satisfação com suas próprias escolhas.