O XV de Piracicaba e a derrota da liberdade de expressão

Na data de ontem, a liberdade de expressão, pensamento e opinião sofreu um grande golpe. Ela foi vilipendiada e sordidamente agredida pelo Sr. Fahel Júnior, então técnico da equipe de futebol do nosso glorioso Esporte Clube XV de Piracicaba.

O lamentável episódio ocorreu quando o jornalista esportivo, Leonardo Moniz, editor de nosso caderno de Esportes e também editor de conteúdo do site Líder Esportes, encontrou, casualmente, o técnico do XV de Piracicaba. O que poderia ter sido uma conversa interessante, uma troca de ideias, de opiniões (ainda que divergentes) e um louvor à liberdade que cada um possui, seja jornalista ou não, de expressar suas opiniões e pensamentos, foi uma lamentável cena de filme policialesco, cujo resultado foi parar na terceira Delegacia de Polícia de Piracicaba.

Ao que parece toda a irritação do técnico, Sr. Fahel Júnior, se deveu ao texto “Bagunçado” escrito por Leonardo Moniz e veiculado no site Líder Esportes. No Brasil futebol é sempre polêmica. Contudo, o técnico não conseguiu lidar bem com as palavras críticas de Moniz.

Até aqui nenhuma novidade pode ser uma história normal ocorrida em qualquer cidade do interior que tenha seu próprio time de futebol. Mas o acaso, segundo o Boletim de Ocorrência nº 558/2018, juntou esses dois personagens na noite de anteontem: Fahel Júnior e Leonardo Muniz. Diante de várias testemunhas, Fahel Júnior se aproximou do jornalista e disparou ataques pessoais, partiu para cima dele, mas felizmente o seguraram, restou no ar apenas a ameaça clara: “veja o que vai dizer, seu ***, vou lhe arrebentar e “. Não precisou dizer mais nada, nem precisamos aqui repetir palavras de baixo calão. Tudo está dito nas entrelinhas: o que você escrever será rebatido, não pelas palavras, mas pelos punhos.

Esse episódio, ao vir à tona, levou a direção do XV de Piracicaba a demitir seu técnico de futebol. Muito embora acertada, correta e rápida a decisão tomada pela direção do clube esportivo, nos pareceu que a liberdade de expressão ainda continua ameaçada. Em breve nota oficial, o XV de Piracicaba fez questão de dizer que “não tem a intenção de criar juízos de valores” sobre o incidente. Em outras palavras, se exime de julgar os atos agressivos de seu ex-técnico de futebol. E complementa a nota dizendo que os pífios resultados obtidos pela equipe nas primeiras rodadas da Copa Paulista também motivaram a saída do técnico. Por fim, o XV de Piracicaba agradece ao profissional e “lhe deseja sucesso na sua carreira”.

Não dá para lavar as mãos como fez Pôncio Pilatos e se eximir do julgamento sobre o incidente ocorrido. Resta-nos a pergunta não respondida: como ficará a liberdade de expressão dos críticos ao futebol do XV de Piracicaba?

Eximir-se de condenar ações como essa é o mesmo que estimulá-las. No fim das contas, a grande vítima dessa agressão desmedida do ex-técnico de futebol foi a liberdade de expressão e de opinião. Nenhum jornalista, colunista esportivo ou mesmo torcedor, estará a salvo deste técnico, para qualquer lugar que ele vá.

( Marcelo Batuíra Losso Pedroso)