Obras para reforma da Catedral de Santo Antônio começam esta semana

Com um projeto considerado “ousado”, a Diocese de Piracicaba começa esta semana as obras de reforma e restauração da Catedral de Santo Antônio, no Centro. No total, a igreja pretende investir entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões nas quatro etapas do projeto, recentemente aprovado pelo Codepac (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural) de Piracicaba. A intenção, segundo a diocese, é que toda a obra esteja pronta até setembro de 2019, quando serão celebrados os 75 anos de fundação e instalação da diocese. O anúncio do início das obras aconteceu durante a missa de Quarta-feira de Cinzas, na semana passada, pelo bispo dom Fernando Mason.
 
De acordo com o monsenhor Ronaldo Francisco Aguarelli, responsável pelo acompanhamento das obras, apenas pequenas reformas aconteceram no prédio tombado, ao longo dos últimos 50 anos. “Agora, daremos início a uma renovação estrutural dentro da catedral para atender melhor os fiéis e manter a identificação que a nossa igreja tem com a cidade e do piracicabano com nossa catedral”, disse.
 
Monsenhor Ronaldo lembrou que o projeto da catedral já existia e que, desde 2015, vem sendo atualizado para os dias atuais. “Os que me antecederam, como padre Otto Dana e monsenhor Jamil Nassif Abib, reservaram fundos para esta obra, que nada mais é que a continuação das obras encerradas na década de 1960, pelo então bispo dom Aniger Francisco de Maria Melillo. Naquela época foi deixado grande parte da obra de lado e que agora vamos retomar, porém, adequando-a ao nosso tempo.”
 
As obras acontecerão em quatro etapas, sendo a primeira já esta semana, na parte interior e inferior da catedral, onde normalmente é feito o tradicional bolo de Santo Antônio. “Serão reformados os pisos e as paredes. As escadas serão readequadas para ter acessibilidade. Será instalado um elevador para dar acesso aos três pisos da igreja, serão criados novas e modernas salas de reunião, catequese e atendimento de padres, além de banheiros. A cripta voltará a ganhar utilidade após quase 30 anos fechada, voltando a ser uma capela.”
 
A segunda etapa será a reforma das áreas de serviço interno, com a continuidade da escadaria interna — térreo ao superior 3 —, banheiro privativo, piso hidráulico, pintura, elétrica e climatização dos ambientes. A terceira fase será dentro da igreja, com a restauração dos pisos, parte elétrica e pintura, recuperação das imagens e móveis litúrgicos. Na parte de fora serão ainda reformados o Mosaico Abcide (cúpula). Numa quarta etapa, serão reformados os vitrais, lavagem da parte externa da igreja e complementação da marquise para proteção das portas frontais.
 
 
CAMPANHA — Os interessados em colaborar com a obra, conforme lembra o monsenhor, pode retirar um carnê na secretaria da igreja para pagar 10 parcelas de R$ 30 mensais. “Até agora já tivemos a adesão de 121 pessoas. É importante lembrar que ninguém é obrigado a comprar um carnê, ajuda quem pode. Mesmo quem retirou e, porventura, não puder ajudar um ou outro mês, não pagará juros”, disse.
 
Segundo o monsenhor, apesar da colaboração, a igreja tem reserva para dar início à obra e segui-la no seu tempo com tranquilidade. “Não estamos fazendo nada sem planejamento, mas sabemos que, por mais que tentemos, uma reforma sempre fica um pouco a mais que o orçado inicialmente, por isso a importância da colaboração de todos.”