,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Na Sala São Paulo, Rachlin rege e sola ao violino e à viola com músicos ingleses
  • Taylor Swift brinca com melhor jogador da NBA: 'Eu te ensinei a driblar'
  • Fã joga cerveja no palco e Marília Mendonça se irrita: 'Jogue na sua avó'

Piracicaba não será conhecida como a ‘capital‘ do sexo
Matheus Erler
23/12/2015 14h25
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Nas últimas semanas, Piracicaba foi surpreendida com a notícia da construção de um parque erótico aqui ou na região.

Infelizmente, o assunto tomou as ruas e se tornou motivo de piadas na rede social, aliás de mau gosto, porque deram a Piracicaba o título da ‘capital’ do sexo.

A reação foi imediata e, claro, a Câmara de Vereadores, como caixa de ressonância social, foi procurada pela sociedade que se posicionou contra, preocupada com os reflexos negativos para a cidade cheia de tradições e de história.

Em conversa com o Conselho de Pastores Evangélicos, a Igreja Católica e pais de família, me posicionei duramente contra a ‘Sexolândia’, por entender que não cabe em Piracicaba, e mesmo na região, empreendimento cujo tema seja a erotização.

Não estou aqui querendo ser conservador.

Estou me posicionando contra um espaço onde, a partir de ambientes, haverá a exploração do erótico.

Vai se ganhar dinheiro com a banalização do sexo, ficando nosso município conhecido como uma “terra de libertinagem e sem escrúpulos”.

Fui criado numa família com princípios morais, éticos e religiosos e procuro segui-los em minhas ações.

Por isso, como piracicabano, não vou querer para a minha cidade esta pecha. Lembro-me, ainda jovem, da pecha Amsterdã paulista.

E quando nossa cidade era conhecida como ‘fim de linha’?

Durante anos, lideranças lutaram contra estes estigmas.

Não vou me calar agora, quando empresários querem manchar o nome da cidade.

Vou às últimas consequências contra este parque.

A Piracicaba que conheço é bela, é a cidade pujante do interior paulista com tradições, com gente acolhedora.

2015-12-123-0003-01.jpg

Ilustração: Erasmo Spadotto

É a cidade do caipiracicabano, do pintado na brasa, da capital do humor.

Somos a cidade de Prudente de Moraes, o primeiro presidente civil do Brasil.

Fomos o primeiro município do Estado a ter energia elétrica, graças a Luiz de Queiroz.

Criamos a primeira ‘Cidade Geriátrica’ do país para cuidar dos idosos.

Nos anos 80 fomos a ‘capital’ do Pró-álcool e, agora, somos os ‘pais’ do etanol de 2ª geração, tecnologia que será o futuro do mundo.

Esta é a cidade que os piracicabanos têm orgulho de morar.

A sociedade, nos últimos anos, deu bons exemplos de lutas frutíferas, resultado da mobilização de todas as suas forças vivas.

Conquistamos a Fatec, a 2ª Etec, a montadora coreana Hyundai e suas subsidiárias, o Parque Tecnológico etc.

Estas foram lutas que mostram a nossa cara, responsável pela construção de um futuro melhor para todos nós, principalmente os jovens.

Neste momento, se despertou na sociedade a preocupação com a banalização do tema sexo, que se une novamente contra algo indesejável.

O movimento contra o empreendimento só aumenta.

Começou com os vereadores e, agora, a mídia também questiona os objetivos da ‘Disney do Sexo’.

Por que os donos não relevam o local? Por que tanto sigilo? Será que é apenas para evitar especulações imobiliárias?

O medo deles é porque já sabiam que a sociedade iria se unir contra este parque erótico.

Já estou em contato com lideranças regionais, vereadores e prefeitos, deixando claro que Piracicaba não quer o parque.

As famílias piracicabanas vão lutar contra a instalação.

A região também tende a posicionar-se contra.

A luta foi iniciada e não vou parar enquanto não livrar Piracicaba deste empreendimento.Porém, tenho certeza, de que a sociedade aceitaria um empreendimento voltado ao lazer, como um grande parque infantil, a exemplo do ‘Beto Carreiro World’, que recebe milhares de pessoas todos os anos, gera empregos, renda e lucro.

Quiçá da nossa região! Vou conclamar a sociedade para esta batalha contra o poder do dinheiro e a banalização do sexo.

A esses empreendedores quero falar bem alto: Piracicaba não será conhecida como a ‘capital‘ do sexo.

Ouçam as vozes que virão das ruas!

Quero a minha cidade conhecida por suas belezas naturais, pelo seu rio, por sua gente acolhedora e trabalhadora, que quer preservar a tradição de ser um dos melhores municípios do interior paulista para se viver.


Matheus Erler

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  •         Responder
    Marcio Henrique - 25/04/2016 14h26
    VOLTA DO SENHOR JESUS SERÁ COMO FORA NOS DIAS DE NOÉ!. NÃO ESTAMOS VIVENDO ISSO ? A BANALIZAÇÃO DA MORAL, DOS BONS COSTUMES DA DECÊNCIA, HAVERÁ NO JUÍZO MENOS RIGOR PARA O ESTADO ISLÂMICO DO QUE PARA ESSAS PESSOAS QUE DEFENDEM A PROMISCUIDADE,E O PECADO EM SUAS INFINITA FORMAS, CUMPRE-SE O QUE ESTA ESCRITO, HAVERÁ O ARREBATAMENTO E OS QUE FICAREM BEBERÃO DO CÁLICE AMARGO DO PECADO. PARABÉNS MATHEUS
  •         Responder
    Luciano - 05/04/2016 09h02
    Parabéns Matheus pela sua luta. Essas pessoas que fizeram comentários negativos sobre o seu texto, já perderam a noção de qual caminho a ser seguido em suas próprias vidas. Se deixaram levar pelo que leem e ouvem nessa mídia insana que assalta a consciência daqueles que pouca ou nenhuma clareza têm sobre valores positivos e construtivos para uma vida minimamente harmoniosa, fazendo do "vale tudo" e da banalização de valores elevados seus ideais inconscientes. Pobres coitados! Se ser conservador é continuar defendendo valores elevados, positivos e construtivos que continue assim. A massa não consegue entender isso e nunca conseguirá. Eles se pautam pelas forças negativas e sombrias do inconsciente coletivo.
  •         Responder
    Silvio A. C. Francisco - 10/03/2016 12h42
    Olá, Matheus. Concordo com sua opinião e sua luta. Um dos problemas sociais que enfrentamos é sim, a banalização do sexo. Sabe-se que tal banalização corrobora para o aumento da promiscuidade sexual, além de ter como sintomas outras coisas como: frustrações sexuais advindas de "superexigências" relacionadas a performances irreais, traição e supervalorização do sexo. Piracicaba não precisa e não merece um empreendimento como este. Informação seja sobre qual assunto for, sempre é importante, nos mantenha informados sobre esta tentativa ridícula de implantar um negócio depreciativo na cidade de Piracicaba.
  •         Responder
    Matheus - 05/01/2016 12h27
    Artigo sem noção alguma. As vezes é preciso aceitar as coisas, não importa se falem bem ou mal, se estão fazendo piadas ou não... E dai?? O Brasil é conhecido como o país do futebol e da putaria! Eu não gosto disso, mas não vou ficar revoltado diante disso, afinal não faz diferença em minha vida. Se Piracicaba for conhecida como a capital do sexo, irá atrair muitas pessoas curiosas em conhecer a cidade, não somente pra querer 'sexo', mas sim pelo apelido, que atrai pessoas curiosas.
  •         Responder
    João Airton Guassi - 04/01/2016 13h12
    A sociedade vai se acostumando aos poucos com a erotização. As casas de prostituição ninguém questiona. Os mais de quarenta anúncios de prostituição em jornais ninguém se importa. O erotização da Rede Globo que invade os lares são ignorados. Será que tudo isso será questionado a partir de agora? Ou só o Parque? Se o Parque chegar aos poucos fazendo parcerias quem sabe a sociedade pura o aceita?
  •         Responder
    André C - 24/12/2015 00h19
    Não estou querendo ser conservador.... mas estou sendo. Aff texto horrível. Uma visão limitada do que venha a ser sexo ou erótico.