,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Regina Volpato volta à TV aberta após 5 anos
  • As herdeiras do mundo da moda
  • Rio perde dois patrimônios de sua cultura

Repensando a Virada
Rosângela Camolese
12/12/2016 12h48
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

A proposta de mudanças na Virada Cultural feita nesta semana pelo recém-eleito prefeito de São Paulo, João Dória, quer retirar os grandes shows da região central da cidade e transferi-los para o autódromo de Interlagos.

Paixão de muitos, alvo de críticas de tantos outros, é certo que a Virada leva milhões de paulistanos às ruas todos os anos.

Um megaevento, porém, num modelo que mostra sinais de cansaço.

Para entendermos este contexto, é importante olharmos para a história.

A primeira edição, realizada na gestão José Serra - que tinha à frente da Secretaria de Cultura o professor da ECA/USP Carlos Augusto Machado Calil -, foi inspirada na Nuit Blanche parisiense, criada por Jean Blaise a convite da prefeitura de Paris, em 2001.

Provocando uma inversão de expectativas do público, galerias, museus e salas de concerto, passavam a ter suas portas abertas noite adentro, oferecendo espetáculos, exposições, performances e apresentações musicais.

Foi partindo daí que em novembro de 2005 São Paulo realizou sua primeira Virada Cultural, com 200 atrações artísticas. O sucesso foi tanto que, em 2007, o governo paulista a levou para todo o Estado, tornando-a permanente.

Em 2016, foi organizada em 23 cidades do interior.

O fato, é que a Virada paulistana tomou uma proporção, que sua operação na região central tornou-se de difícil gestão.

Como acomodar tanto público e oferecer serviços de transporte, segurança e limpeza com qualidade?

Caso a transferência se concretize, parte do evento passaria a contar com novo formato, que permitiria um gerencimento mais efetivo.

Segundo o atual diretor do MIS (Museu da Imagem e do Som), futuro secretário de Cultura da capital, André Sturm, a ideia é levar os shows que reunem maior volume de público para um espaço que ofereça melhores condições de realização, além chegar a uma fruição cultural pelos bairros, tornando a Virada um catalisador do uso dos equipamentos durante todo o ano e não por um dia apenas.

Aliás, para bem acomodar as exigências do evento às estruturas disponíveis, Piracicaba utiliza de um formato semelhante desde a primeira edição de sua Virada Cultural, em 2011.

Os shows de grande público concentram-se no Engenho Central, que possui a infra estrutura necessária, e as demais atrações são distribuídas por outros espaços, até mesmo os inusitados, como a porta do Cemitério da Saudade.

Polêmicas à parte, esta é uma equação complexa na gestão de qualquer prefeitura.

Oferecer programação permanente e de qualidade à população durante todo o ano e não em um único dia.

Sob essa abordagem, a iniciativa amplifica a relação da população com a cultura.

É neste momento que voltamos a olhar para Piracicaba, e vemos o quanto nossa cidade é privilegiada ao oferecer à população uma grade de atrações culturais consistente, todos os meses.

Se considerarmos somente os grandes eventos, a Noiva da Colina conta com Paixão de Cristo, Feimep (Festival Internacional de Música Erudita), Festival Paulista de Circo, Salão Internacional de Humor, Fentepira (Festival Nacional de Teatro de Piracicaba), Encontro de Corais e tantos outros, além de extensa programação no Teatro Erotides de Campos, com espetáculos infantis e adultos mês a mês, sempre com casa cheia; a programação variada da Estação da Paulista, dos cinco Centros Culturais, Museu Prudente de Moraes e Pinacoteca, com os Salões de Belas Artes, de Arte Contemporânea e de Aquarelas, além de exposições individuais e coletivas de artistas plásticos.

Temos, ainda, os movimentados espaços do Sesi, Sesc, Teatro da Unimep e outros.

Assim, a Virada foi agregada a uma grade de eventos sólidos, parte da vida piracicabana.

A questão de incutir o conceito de uma agenda fixa de eventos, que apresentem ao público qualidade e variedade, somada ao bom atendimento nos serviços, não torna nossa Virada um evento-fim, mas parte integrante e importante de um conjunto pensado e formatado para atender diferentes segmentos de público o ano inteiro.


Rosângela Camolese

É secretária da Ação Cultural.


 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar