,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Construção abandonada gera transtornos e moradores reclamam
  • Vendas no comércio crescem 3,6% no Dia dos Namorados
  • Rapaz é detido por populares após roubar celular de jovem

Nossa Pátria
José Faganello
27/02/2018 16h06
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Para quem possui algum conhecimento da História é sabido que a ambição humana sempre foi insaciável. Mesmo quando, deslocar-se de um lugar para outro com grandes contingentes era dificílimo, o desejo de conquista vencia qualquer dificuldade. As pesadas baixas que estas aventuras provocavam não eram levadas em conta. Vejamos este texto de um escriba egípcio: “Eu te contarei ainda a sorte do oficial de infantaria. Levam-no ainda criança e encerram-no na caserna. Logo, o seu ventre estará todo gretado, os seus supercílios fendidos e sua cabeça uma chaga; estendem-no e espancam-no como um papiro. Quer que te conte a sua campanha na Síria, as expedições a países longínquos? Leva víveres e água no ombro como a carga de um burro; a sua espinha se dobra. Bebe água podre. Deve montar guarda com freqüência. Chega diante do inimigo, é um pássaro que treme. Volta ao Egito como um velho pedaço de pau roído pelos vermes. Vi a violência! Eis porque te inclino para as letras, do que, desde a infância deves procurar tirar proveito: esse ( o homem de letras) é honrado”.
 
Não sabemos se o antigo escriba conseguiu convencer o filho a estudar, a mesma luta de muitos pais atuais. Sabemos, no entanto, que para saciar a ambição de muitos governantes, bilhões de jovens submeteram-se a insanos treinamentos militares e encetaram longínquas campanhas de conquistas. 
 
Rui, no entanto, entendia por pátria: “A pátria é a família amplificada. E a família, divinamente constituída, tem elementos orgânicos: a honra, a disciplina, a fidelidade, a bem-querança, o sacrifício. É uma harmonia instintiva de vontades, um tecido vivente de almas entrelaçadas. Multiplicai as células e tendes o organismo. Multiplicai a família e tereis a pátria. A pátria não é um sistema, nem uma seita, nem um monopólio, nem uma forma de governo: é o céu, o solo, o povo, a tradição, a consciência, o lar, o berço dos filhos e o túmulo dos antepassados, a comunhão da lei, da língua e da liberdade”.
 
Ambiciosos conquistadores ameaçavam com armas e soldados, quando não destruíram as pátrias de outros, no passado. Hoje a destruição está sendo mais rápida e de maneira imperceptível. O céu está repleto de satélites espiões ou transmissores de cultura alienígena.; o povo, paulatinamente, perde sua identidade e se vê como joguete de interesses externos; a tradição desaparece com uma velocidade alucinante; a consciência alienia-se e perde parâmetros; o lar se desfaz, pois o berço dos filhos não possui mais um lar; o túmulo dos antepassados está despojado de qualquer valor histórico.
 
 
Neste momento, em nossa pátria estamos tomando conhecimento de que aqueles que deveriam administrá-la com amor e seriedade, se locupletaram com roubos incalculáveis, deixando-a desacreditada mundialmente e sem condições de um viver razoável para seus trabalhadores, além de ameaçar a todos com um futuro indesejável.

José Faganello

é professor


 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar