,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Campanha do Agasalho movimenta escolas
  • Rosana Fessel, a Maria da Penha de Piracicaba
  • Moradores de rua abandonam o vício e tentam dar a volta por cima

Inconfidência
José Faganello
24/04/2018 17h55
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Nossa história colonial foi marcada por uma série de rebeliões. Uma destas tentativas foi a Conjuração Mineira. Minas, grande produtora de ouro no século 18, provocou uma cobiça tão grande no fisco português, a ponto de fazê-lo mudar a capital do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro.
 
Foi entre 1693 e 1695 que desbravadores paulistas encontraram o sonhado Eldorado, nos flancos da Serra do Espinhaço
.
Portugal tentou impedir a corrida desenfreada à região, não queria um agrupamento humano impossível de ser controlado, nem o desvio de mão-de-obra das outras atividades econômicas. Foi inútil, uma multidão migrou para a região aurífera. Lá, não se perdia tempo com o plantio de gêneros alimentícios ou criação de animais, os produtos vinham de outros lugares e, como eram pagos em ouro, houve escassez nas regiões de onde provinham e uma inflação tal, que aqueles que não tinham ouro morriam à mingua.
 
Cobrar impostos sobre a extração era difícil. Mecanismos — como o Regimento dos Superintendentes, Guarda-Mores e Oficiais Deputados para as Minas de Ouro e as Casas de Fundição — foram impotentes para coibir o contrabando e a sonegação.
 
Em 1720 eclodiu a primeira revolta contra as Casas de Fundição. Três mil homens sitiaram o governador Conde de Assumar. Ele assumiu o governo com a instrução de garantir a qualquer custo uma maior arrecadação tributária. Cercado, dispondo apenas de quarenta homens, assinou a rendição aceitando todos os seus termos, entre eles: o abandono do projeto da instalação das Casas de Fundição e o perdão incondicional para os revoltosos. Assim que conseguiu homens suficientes para sufocar os rebeldes, Assumar prendeu os revoltosos, deportou seus líderes e, ilegalmente, executou Felipe dos Santos.
 
As Minas do Brasil produziram quantias fabulosas para Portugal. De 1739 a 1759 foi o apogeu. Em 1735 foi colocado um novo imposto, a capitação, uma taxa em ouro cobrada por cada escravo que procurasse ouro, tivesse ou não sido encontrado. Esse tipo de arrecadação, mais tarde, quando houve violenta queda na produção aurífera pelo esgotamento das minas, provocou a ruína dos mineradores.
 
A Inconfidência Mineira foi a consequência. Minas, na região do ouro, apresentava características urbanas e uma sociedade que não se limitava à rígida estratificação do restante do país: de senhores e escravos. Possuía ainda uma elite letrada. Ela, influenciada pela Revolução das colônias norte-americanas e pelas ideias dos filósofos iluministas, tramou a rebelião. Esta elite estava ameaçada de perder seus bens, pois devia muito ao fisco. A notícia de que o novo governador, o Visconde de Barbacena iria executar a Derrama (cobrança dos impostos atrasados), com o confisco dos bens do devedor em caso de inadimplência, uniu o desejo de liberdade ao de resolver os problemas particulares dos inconfidentes. O desfecho, todos conhecem.
 
A Inconfidência foi apenas um sonho, em nada mudou nossa condição de colônia explorada. Tiradentes, mesmo sem ter sido o líder de fato, foi o que de mais importante sobrou deste movimento: um mito imposto, mas que atingiu a compreensão do sentido da colonização ao dizer para Alvarenga Peixoto: “é uma pena que uns países tão ricos... se achassem reduzidos à maior miséria, só porque a Europa como esponja, lhe estivesse chupando toda a subsistência (...) de três em três anos traziam uma quadrilha que, depois de comerem a honra, a fazenda e os ofícios que deviam ser dos habitantes, saíam rindo deles”. 
 
Atualmente, o que mudou é que os representantes deste sofrido povo também estão ajudando a dilapidar as riquezas deste país. Espera-se que a Lava a Jato extermine esses sanguessugas.

José Faganello

é professor


 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar