,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • 'Levar torta na cara em Chaves era uma honra', diz atriz de Paty
  • Prazo para sugestões à mobilidade é ampliado
  • Alça de acesso que ligará via deve ser entregue em janeiro

Você está depressivo ou somente triste?
Ana Carolina Carvalho Pascoalete
27/04/2018 16h13
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Todos os seres humanos sentem-se tristes em alguns momentos na vida e por inúmeros motivos: o afastamento de pessoas queridas, luto, desligamento de um emprego, brigas, que podem durar mais ou menos tempo de acordo com as características da personalidade de cada pessoa. Desta maneira a tristeza é uma condição psicológica passageira e que ajuda na elaboração do sofrimento e conflitos ocasionais.

 

Nos dias atuais é comum as pessoas confundirem tristeza com depressão e se descrevem nas mais diversas situações como “estarem depressivas”. Percebo muito isso na minha prática profissional. Pessoas de todas as faixas etárias relatam estar depressivas, sendo que, possivelmente, estejam apenas tristes. Situações assim, permite que sejam criados rótulos inadequados para uma doença tão grave como a depressão.

 

É importante aprender a diferenciar e entender que a tristeza trata-se de um sentimento, que pode acontecer com qualquer um, de qualquer idade e em qualquer momento da vida, ocasionado por algum motivo não satisfatório ao qual o indivíduo passa a ser invadido repetidas vezes pelas recordações do motivo que lhe causou a tristeza. Pode, inclusive, desencadear sintomas físicos como: choro, aperto no peito, aceleração dos batimentos cardíacos. No entanto, a tristeza pode cessar no momento que ocorrer algo satisfatório e que substitui as más lembranças e proporciona novas alegrias.

 

Já a depressão é considerada uma doença, um quadro psiquiátrico que exige tratamento psiquiátrico. É causada por intenso sofrimento para a pessoa doente e também para as pessoas de seu convívio. A depressão não está necessariamente vinculada a um evento não satisfatório na vida de um indivíduo e mesmo que ocorra um fato muito bom, continuará deprimido, sem forças para aproveitar. Se apresenta apático, não sente vontade de fazer nada, e não consegue entender o porquê. Quem tem depressão, tem dificuldade de concentração, cansaço sem explicação, alterações no sono e no apetite, dentre outros sintomas. Pessoas muito irritadas e com mau humor constante têm mais chances de desenvolverem depressão.

 

Todos os indivíduos estão suscetíveis a etapas da vida que possam surgir intensas tristezas, porém se prolongada, com tendências a gerar prejuízos na vida familiar, profissional, pessoal ou social é necessário procurar ajuda de profissionais capacitados como psicólogos e psiquiatras, para uma avaliação criteriosa. E, se for o caso, iniciar o tratamento antes que a problemática se intensifique e tome maiores proporções.

 

Sabendo diferenciar a tristeza da depressão é importante não banalizar, depreciar pequenos problemas cotidianos que apenas geram tristeza com a depressão que se configura uma doença.

 

 Para a psicanálise, na depressão aparece um sujeito esvaziado de toda e qualquer subjetividade, comandado por um significante mortificador. Essa colagem imaginária somada à fragilidade do registro do simbólico, configura-se um sujeito em condição sem amarras, em uma realidade fragmentada e extremamente precária. Enquanto à tristeza é um apelo significante, que fazem os sujeitos como um grito que ajuda a elaborar para combater tal desconforto.

Ana Carolina Carvalho Pascoalete é Psicóloga e Psicanalista Clínica. 


Ana Carolina Carvalho Pascoalete

É psicóloga e psicanalista clínica


 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar