,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • 'Levar torta na cara em Chaves era uma honra', diz atriz de Paty
  • Prazo para sugestões à mobilidade é ampliado
  • Alça de acesso que ligará via deve ser entregue em janeiro

Queremos mais emprego e mais casas populares
Da redação
16/05/2018 18h38
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Estamos acompanhando as matérias e discussões de um projeto que chama Urbanização Consorciada. No debate que teve no Conespi (Conselho das Entidades Sindicais de Piracicaba), vimos que é intenção da empresa e da Prefeitura de Piracicaba construir nos próximos anos 3.498 novas casas populares. Isso é bom, pois muitas famílias vão deixar de pagar aluguel e muitos trabalhadores vão ter empregos, direto ou indiretos devido às obras.
 
O que nos entristece é que o debate está sendo feito por vereadores, promotores públicos, professores universitários, arquitetos, urbanistas, ambientalistas e muitos outros. Só estão debatendo e não aprovam e nem corrigem o projeto. Isso é muito triste.
 
 Sabe o que essas pessoas têm em comum? Todos têm bons empregos, bons salários, a sua grande maioria com casas próprias e alguns até têm casas de aluguel. Enquanto isso, os trabalhadores estão perdendo emprego e continuam com baixos salários, entre R$ 1 mil e R$ 3 mil reais, pagando aluguel, morando com suas famílias e até em favelas.
 
Seria bom visitar o nosso sindicato para ver a quantidade diária de trabalhadores que são demitidos semanalmente. Outros tantos fazem fila para uma nova oportunidade de emprego. São pedreiros, serventes, azulejistas, eletricistas, pintores, calheiros, vidraceiros e tantas outras profissões ligadas à construção civil. Os desempregados querem os seus empregos de volta e os que estão empregados querem ter suas casas próprias.
 
Seria bom também visitar algumas favelas da cidade, para verificar como essas pessoas estão morando em condições precárias, após perderem seus empregos e não terem condições de arcar com os seus aluguéis.
 
Pedimos que essas pessoas, que a Prefeitura e as demais autoridades façam como a igreja e pensem mais nos pobres, nos desempregados e nos mais necessitados. Está na hora de darem as mãos e estimularem a construção civil, o comércio, a indústria e a prestação de serviços para que a cidade volte a crescer e gerar empregos para que os trabalhadores tenham salários e possam alimentar suas famílias, e tenham condições de comprar suas casas para saírem do aluguel.
 
Isso não é pedir muito. Todos têm o direito de ter emprego, salário e uma casa para morar. O atual debate parece longo demais e para nós trabalhadores é muito angustiante. Precisamos de mais empregos e mais casas populares. De novo repito, vamos nos unir, por as mãos na massa e ajudar na construção civil, que perdeu milhares de empregos nos últimos anos aqui em Piracicaba.
 
Milton Costa é presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Piracicaba (Sinticompi)

Da redação

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar