Os candidatos

Vacina contra a corrupção é o voto em candidatos honestos e que praticam a política do bem comum em vez da política do que é dando que se recebe

Foi dada a largada para as eleições 2018. Ontem foi o último dia para o registro das candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Foram registradas pelo menos 10 candidaturas a deputado estadual e oito a deputado federal por Piracicaba, segundo apurou o repórter Beto Silva, na edição de hoje do Jornal de Piracicaba.

O número pode até impressionar. Mas a maioria dos candidatos que tentará vaga a deputado já é conhecida dos moradores da cidade. Alguns já disputaram eleições nos anos anteriores, outros vão tentar a reeleição e uma parcela tem projetos sociais ou são agentes políticos no município. Portanto, o eleitorado do município não poderá argumentar que não tem escolhas.

Dezoito moradores da cidade colocaram seus nomes à disposição para tentar uma vaga de deputado estadual e federal. Deram a cara a tapa. Eles se colocaram debaixo de holofotes e se tornaram vidraça. Terão seus bens expostos em público. E terão de dizer ao eleitorado quais são suas propostas de trabalho. Só lembrando que eles não detêm a caneta, mas podem influenciar os governantes na liberação de recursos ao município e à região.

Só lembrando que o município conta atualmente com um deputado federal e um estadual. E Piracicaba tem plenas condições de eleger mais deputados. Para isso, o eleitorado teria de se conscientizar sobre a importância de votar nas pratas da casa. É difícil fazer qualquer previsão neste momento. Mesmo porque, muitos forasteiros têm disputado o voto do eleitorado local.

Agora, pelo menos, os eleitores já sabem quem serão os postulantes. E, a partir de hoje, os candidatos poderão fazer campanha eleitoral. O Jornal de Piracicaba dará sua contribuição para que os eleitores tenham o máximo de informações a respeito dos concorrentes, para que pratiquem o voto consciente. Nas últimas semanas, os candidatos já têm colocado na mesa suas propostas por meio das páginas do Jornal. E essa prestação de serviço continuará até a proximidade das eleições.

Como já dissemos nesse mesmo espaço, os eleitores não devem vender seus votos. Devem conhecer as propostas dos candidatos. Devem apurar o que eles fizeram de bom pela cidade. Devem conhecer seus familiares. Devem entrar no site da Justiça e checar se têm processos trabalhistas, eleitorais, criminais e até mesmo por improbidade administrativa. A vacina contra a corrupção é o voto em candidatos honestos e que praticam a política do bem comum em vez da política do que é dando que se recebe.

(Claudete Campos)