Pai e filha se reencontram por acaso depois de 47 anos

Demorou 47 anos para que a desempregada Raquel Pereira da Silva, 53, se reencontrasse com o seu pai Sebastião Pereira da Silva, 74. Foi um presente de Páscoa que receberam, depois de tantos anos de distância. E tudo aconteceu por acaso. O pai saiu de Marília, onde morava sozinho, para tentar localizar os irmãos por parte de pai, José Roberto, João Batista (já falecido) e Maria Genoveva, em Piracicaba. Ele dormiu um dia na rodoviária e foi a partir de um pedido de ajuda a guardas municipais do patrulhamento de bicicletas que o idoso localizou a filha na última quinta-feira (29), três dias antes do domingo de Páscoa. Os guardas se sensibilizaram porque o idoso está quase cego por causa de uma catarata. Silva foi conduzido ao Centro Pop (Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua), onde assistentes sociais localizaram a filha do idoso.
 
“Minhas pernas ficaram moles”, contou Raquel, no final da tarde de ontem, ao relembrar a emoção quando um veículo estacionou na frente da sua casa e informaram: “nós trouxemos seu pai”. Com o falecimento da mãe, Amélia Elias, em 2006, Raquel estava à procura do pai há 12 anos. O casal se separou quando Raquel tinha seis anos. “Foi um presente de Páscoa. Liguei para a minha filha, que disse vou aí. Ficou curiosa”, contou Raquel. Seo Sebastião descobriu, então, que tem cinco netos e cinco bisnetos. A outra filha, Isabela Cristina, 47, mora em São Paulo e ainda não o viu.
 
E, finalmente, seo Sebastião reencontrou o irmão José Roberto, que ainda mora na cidade. Agora, só falta encontrar a irmã, que é médica em Cuiabá (Mato Grosso). O idoso relatou que nunca perdeu a esperança e a fé de, um dia, encontrar a família. “(Encontrar a minha filha) foi a mesma coisa de chegar no paraíso. Foi uma dádiva de Deus”, relatou. Segundo Raquel, os netos também estão todos felizes com a chegada do avô, que passou a morar com a família, em uma casa alugada.
 
Os três anjos da guarda de seo Sebastião chamam-se guardas municipais Viviane Regina da Silva Martins, Feresin e Gilson. Eles ouviram a história dele e o conduziram até o Centro Pop. O idoso dormiu na rodoviária entre terça e quarta-feira passada, praticamente não enxergava e não tinha onde ficar. Assistentes sociais localizaram Raquel e promoveram o reencontro, relatou Viviane. 
 
Amparado pela filha, seo Sebastião já faz planos. Vai passar por consulta médica para operar da catarata. A filha vai atrás da aposentadoria dele. Ele recebe apenas auxílio assistencial, mas disse que ainda é forte o bastante para trabalhar e ajudar a nova família. Silva foi funcionário público na Prefeitura de Marília. Raquel está desempregada e o filho dela sobrevive com bicos de pizzaiolo, mas disse que jamais colocaria seu pai em um asilo ou na rua. E fez um apelo para quem puder doar cama, colchão, cesta básica e roupas ao pai. Contato pelos telefones (19) 99801-9894 ou 98724-8630.