Para bancos, é preciso cautela na redução dos juros

A resistência dos bancos em repassar os cortes da Selic, no mesmo ritmo, para o financiamento imobiliário reflete uma preocupação dessas instituições com a fragilidade da poupança como fonte de recursos – que passou a render menos desde o último ano – e com um potencial aumento da taxa básica de juros da economia no longo prazo.

A diretora do Itaú Unibanco, Cristiane Magalhães, pondera que o fato de o crédito imobiliário ser de longo prazo, de até 30 anos, exige dos bancos uma precaução adicional em termos de previsibilidade.

“Não dá para fazermos projeções considerando o tempo médio que os clientes levam para quitar o seu financiamento imobiliário, entre 10 e 12 anos. Essa carteira tem duração muito longa e os bancos precisam agir com responsabilidade. As projeções macroeconômicas, por exemplo, já indicam que a Selic vai voltar a crescer em 2019”, diz Cristiane. “A tendência dos juros no crédito imobiliário é de queda, mas temos de preservar a rentabilidade (do banco).”

Segundo o superintendente executivo de Negócios Imobiliários do Santander, Fabrizio Ianelli, a poupança também é uma preocupação. Depois de os depósitos superarem os saques na caderneta em mais de R$ 17 bilhões no ano passado, conforme o Banco Central, em janeiro deste ano o sinal inverteu: a diferença de entradas e saídas ultrapassou a casa dos R$ 5 bilhões.

“Primeiro, precisamos da normalização e da volta da poupança. Esperamos a migração de recursos de fundos de investimento com taxas mais altas para a poupança e, depois, a própria população”, afirma Ianelli. “Com a melhora da economia, espera-se que a poupança volte a ficar com crescimento positivo à medida que as pessoas tenham fôlego para poupar recursos.”

O Banco do Brasil, em desvantagem uma vez que 90% dos seus recursos de poupança têm de ser destinados ao crédito agrícola, segue “bastante empenhado” neste setor, conforme o presidente do banco, Paulo Caffarelli. “Não tem produto mais fidelizador que o imobiliário.”

O superintendente de crédito do Bradesco, Romero Albuquerque, rebate que os bancos estejam demorando para repassar a queda da Selic e lembra que, um ano atrás, os juros no financiamento imobiliário estavam em dois dígitos, com vertente de alta. “A cada um porcentual de queda da taxa do crédito imobiliário, considerando um financiamento de R$ 200 mil, significa que quase 500 mil famílias a mais podem ingressar nesse mercado”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.