Para presidente do Conepir, 20 de novembro deve ser dia de reflexão

presidente Araújo: o trabalho de conscientização é contínuo. ( Foto: Claudinho Coradini/JP)

O 20 de novembro – Dia da Consciência Negra – é um momento de reflexão diante das políticas recém-anunciadas que refletem em perdas substanciais para o movimento negro. A constatação é do presidente do Conepir (Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Piracicaba), Adney Araújo. “É mais que um dia de festa, temos que permanecer vigilantes e atentos, manter nossa unidade e nos colocarmos contra qualquer diminuição dos avanços já adquiridos. A palavra de ordem é nenhum direito a menos”, alerta Araújo.

Em sua avaliação, é preocupante os casos de racismo que têm ocorrido em Piracicaba. Ele destacou que antes, as denúncias ficavam esquecidas e não prosperavam. “Com o Conepir e o canal direto com a Coordenadoria dos Povos Negros e Indígenas da Secretaria da Justiça, as ações são mais céleres e contundentes, os casos na administração pública também têm se evidenciado, mesmo com o apoio do Executivo e as diversas campanhas feitas em parceria”, afirmou acrescentando que o trabalho de conscientização é permanente em todas as esferas da sociedade.

Araújo explicou que após o recebimento da denúncia pelo 156 é feito um registro e a vítima recebe retorno em até sete dias. Após esse período é dado início às oitivas e acompanhamento da vítima, que é orientada a registrar boletim de ocorrência. “Colocamos à disposição (da vítima) o nosso departamento jurídico, totalmente gratuito. Damos o amplo direito de defesa ao praticante de tal ato, fechamos o processo e encaminhamos à secretária de Defesa da Cidadania, com o nosso parecer”, explicou.

Araújo contou que as atividades de hoje começam muito antes da data. Segundo ele, o Conepir tem visitado escolas estaduais e municipais, câmaras de municipais do Aglomerado Urbano de Piracicaba, além de faculdades, geralmente nos cursos de história.

Para comemorar a data, hoje no Engenho Central será celebrada a Missa dos Quilombos, às 8h e, em seguida, tem início a sessão solene no teatro Erotides de Campos, com palestras e reflexões e premiação de personalidades negras que contribuem com a preservação negra em Piracicaba.

(Beto Silva)