Penas maiores

Dirigir embriagado é uma triste realidade que resultou na morte de muitas pessoas em Piracicaba – uma boa parte de jovens e pessoas economicamente ativas. E a sociedade clamava por leis mais rígidas para punir aqueles que dirigem bêbados e causam acidentes e matam inocentes. E esse pedido da população começou a ser atendido. Entraram em vigor ontem penas mais severas aos motoristas que dirigem alcoolizados e provocam acidentes de trânsito que resultem em homicídio culposo (sem intenção de matar) ou lesão corporal grave ou gravíssima.
 
Entraram em vigor ontem as alterações na legislação batizada de Lei Seca, sancionada em dezembro do ano passado pelo presidente Michel Temer (PMDB). A partir de agora, o motorista que cometer homicídio culposo no trânsito sob efeito de álcool ou drogas estará sujeito a pena entre cinco e oito anos de prisão. Antes, a pena era de dois a cinco anos. Além disso, quem provocar lesão corporal grave ou gravíssima, estará sujeito a pena de dois a cinco anos – antes era de seis meses a dois anos.
 
A mudança chega em boa hora. Todo mundo sabe que álcool e volante não combinam, mas os flagrantes continuam altos. Para se ter uma noção, na última operação realizada pela Polícia Militar Rodoviária, na Semana Santa, dos 415 veículos fiscalizados, foram aplicadas 400 multas, dos quais 98 testes do bafômetro, com seis recusas para testes de alcoolemia e um flagrante de direção perigosa sob efeito de álcool. 
 
Essa mudança na legislação tenta reverter uma triste realidade. O Brasil é o quinto país do mundo em mortes no trânsito, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Até por isso, em maio é realizada a Campanha Maio Amarelo, para chamar a atenção da sociedade sobre o alto índice de mortos e feridos no trânsito. Acidentes de trânsito com vítimas fatais causaram a destruição de muitas famílias. Quem sobrevive ou tem um ente querido morto por motorista alcoolizado sabe muito bem como é a dor da perda.
 
Estimativa da OMS é que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 e 2,4 milhões em 2030. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, 15,6% das causas dos acidentes com mortes são causadas por ingestão de álcool. 
 
Como já dissemos neste espaço, em ocasiões anteriores, as pessoas só mudam seus comportamentos quando mexem no seu bolso. Em Piracicaba isso não é diferente. (Claudete Campos)