,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Ultrapassagens proibidas lideram multas
  • GC implantará patrulha da Lei Maria da Penha
  • Sinalização confunde motoristas na Vollet Sachs

Arraso semanal inicia série com novos vereadores
Da Redação
21/10/2016 11h45
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Passado o período de eleições, a cidade, a partir de agora, passa a conhecer aos poucos quem serão os representantes da população na Câmara de Vereadores. Dos 23 eleitos, 11 são novos nomes. O Jornal de Piracicaba entrevista, na Arraso semanal, cada um dos novos parlamentares que atuarão na legislatura 2017-2020.

A ordem estabelecida para as entrevistas é o número de votos recebidos por cada um dos novos vereadores. O mais votado entre os que cumprirão seu primeiro mandato é Rerlison Teixeira de Rezende, 39, funcionário público e pastor da Igreja Quadrangular Central de Piracicaba. Rezende (PSDB) obteve 3.524 votos e foi o quarto mais votados dos 23 eleitos. 

O tucano não tinha experiência com política até então. Conforme destacou, seu desejo é de inovar e sua expectativa “é ser um parlamentar atuante que traga realizações permanente para Piracicaba”.

21-010-013.jpg

Como o senhor se sente tendo sido eleito para uma cadeira na Câmara de Vereadores para os próximos quatro anos?

Me sinto feliz e com responsabilidade para desenvolver um trabalho trazendo o sentimento das urnas que é renovar no modo de atuar e conduzir o trabalho a ser desenvolvido na vereança.

O que o motivou a se candidatar?

O que me motivou foi o pensamento que a nossa cidade precisa de uma renovação nos trabalhos desenvolvidos pela Câmara de Vereadores. Acredito que a renovação é benéfica para a cidade porque traz consigo novas ideias e condutas a serem praticadas, diferente do modelo atual.

O senhor representa algum segmento ou comunidade?

Analisando os votos a mim concedidos há uma veracidade que em todas as urnas da cidade eu tive voto. Na minha concepção represento a população como um todo do nosso município. Nós evangélicos também somos cidadãos e sendo eu pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular, obtive apoio massivo dos meus irmãos em Cristo.

Como o senhor avalia o trabalho de um vereador?

Na minha avaliação é um trabalho de suma importância porque influencia completamente as famílias. O vereador tem que ter em mente que a sua atuação pode beneficiar ou prejudicar não só a população atual, mas sim uma geração posterior. Responsabilidade com temor deve ser praticada no servir ao cidadão.

O que pretende fazer enquanto legislador?

Pretendo trabalhar para que Piracicaba possa ter um desenvolvimento capaz de acompanhar o crescimento a ela projetada. Na minha opinião precisamos urgente pensar em como vamos deixar a cidade para a geração futura. O meu posicionamento será sempre pautado através dos princípios cristãos.

Na última legislatura, o salário dos vereadores e prefeito, para esta próxima, permaneceu congelado. O vencimento dos políticos é sempre uma discussão polêmica. O que o senhor acha do salário atual dos vereadores?

A legislação dá legalidade de o vereador ter o salário até 70% do vencimento de um deputado estadual. Em Piracicaba um vereador recebe quase 45% do salário de um deputado. Na minha opinião, o salário de um funcionário público, professor, empregada doméstica, o trabalhador em geral é uma calamidade. O salário da população é sofrível e quando fazemos uma comparação entre o salário de um trabalhador e vereador observamos uma discrepância. Acho que o salário do vereador está fora da realidade da sociedade. O salário da população está abaixo da necessidade do cidadão para sobreviver. Se tivesse que votar, votaria para que o salário do vereador se tornasse mais compatível com o da população. Se a população tivesse salário conforme merece não haveria essa discrepância.

O senhor foi o mais votado dos novos e o quarto mais votado dos 23 eleitos. Acredita que o fato de representar um segmento evangélico tenha refletido no número de votos? Por que?

Sim, acredito. Porque todo segmento e toda classe quer ser representada e ter voz no parlamento. Nós cristãos ou evangélicos, como dizem, acreditamos que temos o direito de ter um posicionamento com ética cristã na forma de atuação na Câmara de Vereadores.

21-010-015.jpg

(Foto: M.Germano/JP)

Quais dificuldades acha que deverá enfrentar sendo vereador? Como lidar com elas?

A maior dificuldade a ser enfrentada é o preconceito por ser um pastor e vereador. A nossa Constituição dá o direito de todo cidadão concorrer a uma eleição e sendo eleito, o direito de governar e representar uma classe ou um posicionamento. Muitas vezes há preconceito de alguns que querem tirar o direito de todo cidadão se candidatar e, consequentemente, de ser eleito. Sendo assim, os preconceituosos atacam a honra, as famílias, as religiões, só porque pensam de forma egoísta e diferente de uma classe. Nós cristãos pastores temos consciência que a maior parcela da população pensa diferente dos preconceituosos. Irei, no meu mandato, combater com respeito e lealdade qualquer tipo de atitude que venha trazer para a nossa cidade uma visão preconceituosa. Acho que todos têm direitos de ter seus representantes. Tem que ter médicos, pastores, representantes de outras classes, cada um pode ter a sua representatividade, diferente do que pensam os preconceituosos, para juntos trabalharmos pela sociedade.

As decisões políticas cada vez mais tem tido participação popular, ao mesmo tempo em que muitas dessas decisões ou ações podem ser criticadas pelo fato de as pessoas estarem mais atentas ao que acontece. O que pensa disso?

Acredito que a participação da população de modo geral é benéfica, porque mostra comprometimento não somente na hora do voto. As críticas construtivas contribuem para um crescimento e melhoria de uma nação. Eu desejo que toda população seja participativa e todos serão bem-vindos no meu mandato.

Seu gabinete já está montado? Quais critérios o senhor utilizou ou utilizará para escolher sua equipe de gabinete?

Meu gabinete ainda não está montado. Os critérios que utilizarei serão técnicos e com ligação à linha de trabalho a ser seguida na vereança.

Como pretende desempenhar seu papel de fiscalizador do poder Executivo?

Sou do mesmo partido do prefeito eleito Barjas Negri e faço parte da base aliada, pretendo desempenhar o meu papel de legislador e fiscalizador do Executivo com responsabilidade e determinação, atuando de perto com o prefeito, seus secretários e servidores da nossa cidade.

Tem alguma área em que o senhor pretende atuar mais especificamente?

Pretendo trabalhar mais fortemente num projeto de expansão para o futuro da cidade. É preciso desenvolver a mobilidade urbana urgente. Você não consegue ir de Santa Teresinha até a Pauliceia, por exemplo, sem entrar em outros bairros. É necessário criar propostas para que o município cresça com pensamento no futuro. É preciso um hospital em Santa Teresinha, para que a população daquela região não precise se deslocar para atendimento. Quero legislar com projetos para novos bairros, novos loteamentos, para que tenham plano de desenvolvimento. Em todas áreas: saúde, saneamento, educação, meio ambiente, segurança é preciso planejar a longo prazo, senão um dia a cidade pode parar. Planejar a expansão para qualidade de vida do cidadão.

O senhor acha que é possível fazer com a que a população esteja mais próxima do trabalho da Câmara? De que forma?

Acredito que a população está muito mais próxima do que há oito anos. As redes sociais aproximaram a Câmara da sociedade, com críticas, mas também com posicionamentos. Acho que a Câmara deve sair de seus gabinetes. A nova Mesa Diretora que será eleita deveria olhar a possibilidade de levá-la para fora. Uma ideia, não sei se seria viável, mas, fazer sessões nas regiões da cidade, já que cada uma têm suas necessidade. O legislador deve estar mais próximo da população, que não é contra o trabalho do vereador. O que ela quer é que se atenda às necessidades dela. Acho uma atitude louvável do presidente e da atual Mesa de tirar o vidro que separava o plenário do público. A intenção deve ser de a população estar mais próxima do trabalho dos vereadores.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar