,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Retrospectiva de Basquiat no CCBB traz 80 obras de acervo particular
  • Uma seleção de atrações culturais e gastronômicas para comemorar 464 anos de SP
  • Estante com livros virados para a parede faz blogueira receber ameaças

Foco na valorização do Policial Militar
Cristiani Azanha
11/12/2017 17h04
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Com a missão de atender uma população estimada em 3,5 milhões de pessoas, em 52 municípios, divididos em seis batalhões, o comandante do CPI-9 (Comando de Policiamento do Interior), coronel da Polícia Militar Lourival da Silva Junior, tem creditado a valorização de cada integrante da corporação como um dos importantes fatores que contribuem para a queda na maioria dos índices criminais, pois considera que um policial motivado consegue desempenhar um trabalho melhor, prestando um atendimento para a população com mais qualidade. Recentemente, o CPI-9 teve a maior pontuação entre as 93 unidades do Estado no 15º Prêmio Polícia Militar pela Qualidade e recebeu o certificado em grau prata. Cinco dos seis batalhões atendidos pelo comando regional da corporação também foram premiados com o grau bronze. O coronel assumiu o comando regional da Polícia Militar em abril de 2017, mas já deixou sua contribuição na Polícia Militar Rodoviária. Em entrevista à reportagem do Jornal de Piracicaba, ele comentou que tem como meta dar continuidade nos projetos implantados, além de aperfeiçoar e criar novas ações. O comandante considera que o desafio da polícia nunca acaba, visto que analisa que vem em um processo de evolução. A pretensão é que os índices criminais continuem em ritmo decrescente para o novo ano que se aproxima. Ele considera ainda que a participação da população é fundamental ao longo desse processo, principalmente através da denúncia, uma vez que quanto mais próxima a população estiver da polícia mais longe estará da criminalidade.
 
Quais são suas prioridades em sua gestão no comando do CPI-9?
Quando chegamos em um lugar novo, não podemos deixar de lado as realizações dos gestores anteriores. Uma instituição de 185 anos tem um trabalho de muitas pessoas que vieram e fizeram parte dessa construção. Quero dar continuidade nos projetos, procurar novas maneiras para aperfeiçoar nosso trabalho que é o policiamento ostensivo, preventivo.
 
O bem-estar do policial e os resultados operacionais estão relacionados?
Não há como fazer uma referência sem fazer uma ligação entre eles. Quando se fala em bem-estar, queremos dizer sobre uma melhor estrutura, as maneiras como são desenvolvidos os serviços, as técnicas e as táticas, fazer uma valorização do profissional para que faça um trabalho com maior qualidade, aliado à treinamentos. A soma de todos esses fatores vai fazer com que tenhamos um bom resultado. As pessoas melhoram, se aperfeiçoam e se dedicam com mais vontade. Na sociedade como um todo, falta apenas uma dedicação a mais, mesmo fazendo pequenos gestos.
 
O CPI-9 teve a melhor avaliação no “Prêmio Polícia Militar da Qualidade”, a que se deve esse resultado?
O prêmio segue os mesmos princípios da Fundação Nacional da Qualidade e do Instituto Paulista de Excelência na Gestão. Visa a melhoria contínua das rotinas e dos processos. É uma forma das unidades estarem se avaliando, somos auditados, entre os auditores de empresas e órgãos sem vínculo com a polícia. Isso mostra a transparência do processo e gestão, além de dar uma maior credibilidade para o prêmio. Nossos policiais também ficam capacitados para auditarem algumas empresas. Quando se fala em gestão e principalmente em qualidade, não se trata apenas de uma pessoa, mas de uma grande equipe com funções diversas, mas cada uma teve uma função importante ao longo desse processo. Desde aquele que desempenha uma função considerada simples, até aqueles que desenvolvem um trabalho importante. Todos trabalham alinhados desde o policial que faz o primeiro atendimento até a destinação da equipe que irá desempenhar a função na rua. É preciso que a comunicação seja limpa e rápida.
 
A Polícia Militar está próxima dos cidadãos?
Assim como qualquer servidor público, a Polícia Militar está norteada pela transparência na comunidade, seja através das audiências públicas, pelas reuniões dos Consegs (Conselho Municipal de Segurança), para que possamos ficar próximas da comunidade, seja por meio de elogios, ou algumas críticas que podem ser fundadas ou infundadas, pois podem ser usadas para fazer uma reflexão sobre alguns procedimentos. Devemos ser transparentes também com nossos policiais, para que eles entendam com clareza quais são os nossos objetivos. Também deveremos ter esse mesmo posicionamento com a sociedade, pois também fazemos parte da sociedade. As redes sociais também são importantes para desempenhar esse processo.
 
Qual a sua avaliação da estrutura do CPI-9?
Sempre digo que nós temos que fazer reflexões e procurar melhorias. O que faremos no futuro deve ser melhor que hoje. Procuramos administrar bem nossos recursos, instalações, mesmo dentro de nossas limitações, mas nós temos procurado fazer a melhor gestão possível, fazer um bom clima operacional, visto que através dessa conduta conseguimos motivá-los e contagiá-los a fazer um bom serviço. Os nossos números estão aí, pois estão decrescendo em comparação de 2016. Nosso desafio é continuar para que 2018 seja tenha números ainda menores que 2017. O serviço de polícia nunca para. Não existe um local no mundo que o número seja zero. O desafio de polícia sempre vai existir. Fazer com que menos ocorrências aconteçam. Algumas estão ao nosso alcance. Outras, não.
 
Qual a importância da denúncia para o trabalho policial?
É importante que as pessoas passe as informações de ocorrências com rapidez, pois nossos telefones nunca param. Nosso telefone é o 190 e é um canal aberto. Sempre digo que quando uma pessoa visualizar algo, quanto mais rápido essa informação chegar para a polícia, mais rápido poderá ser nosso trabalho. Quanto mais detalhes e informações tivermos, melhor será nosso tempo de resposta, quando se tratar de uma emergência, como casos de agressões, locais de desmanche, tráfico de drogas, roubos, ou demais situações de flagrante. Já nos casos em que necessitem uma apuração, as denúncias podem ser feitas através do 181, pois vão direcionar para Polícia Militar ou Polícia Civil, de acordo com a natureza. Conseguimos muitos resultados também pelas denúncias através do 181, cujo objetivo será retirar da sociedade uma pessoa que está fazendo mal para a sociedade.
 
A denúncia é importante para fazer o direcionamento das equipes?
Precisamos das informações para fazer um planejamento e gerenciamento dos recursos, seja através do efetivo com policiais ou viaturas através da estratégia e logística nos locais que necessitam de uma maior atuação, por isso é importante que a comunidade se aproxime da polícia e faça suas denúncias. De forma em que haja prioridade nos locais que mais necessitarem, pois as equipes estarão posicionadas nas regiões de eventuais ocorrências.
 
Os policiais têm uma rotina de treinamento?
Temos realizado treinamento constante para que nossos policiais estejam preparados para atender qualquer tipo de ocorrência. Conforme as necessidades, vamos acionando os recursos, se precisa de uma viatura, duas, ou o helicóptero. Usando a estrutura de acordo com determinado evento de uma maneira muito rápida de acordo com a gravidade ou não.
 
Quais foram as ocorrências mais recentes de destaque atendidas pela PM?
Tivemos pelo menos quatro importantes no período de um ano. Tivemos um roubo nas agências dos Correios, em Americana, outra ação na agência da Caixa Econômica Federal, em Santa Bárbara d’Oeste, tentativa de furto ao Banco do Brasil, em São Pedro, e a ocorrência do Copom (Centro de Operações da Polícia) que ajudou a salvar a vida de uma criança. Nos casos dos roubos, todos os envolvidos agiram com muito treinamento e inteligência, nas ocorrências relacionadas como altíssimo risco, pois os criminosos estavam armados e com reféns. Conseguimos fazer todas as prisões, sem feridos. Foi uma forma de mostrar para sociedade que a polícia está atuante, que pode confiar na polícia, ou seja, se o cidadão presenciar alguma coisa, ele pode ligar, e certamente a polícia vai dar uma pronta resposta, ao mesmo tempo em que também vai contribuir para desestimular o crime, pois o criminoso vai pensar várias vezes para agir. São apenas algumas das ocorrências positivas. No entanto, todos os dias temos foragidos da Justiça presos, apreensões de armas, droga, veículos furtados ou roubados recuperados, mas todas são importantes. Felizmente temos conseguido várias ocorrências de sucesso.
 
Qual a sua avaliação sobre a integração com outras forças de segurança?
Acho muito importante a integração e parceria. É importante fazer uma união com todas as forças de segurança no sentido de fazer frente aos problemas. Não podemos deixar de lado, que temos Guardas Municipais, Polícia Civil, Polícia Federal, agentes de trânsito que também estão com foco para as questões que também envolvem os cidadãos e o município. Dentro desse cenário é importante estar em consonância com todos para que possam trabalhar em prol dos mesmos objetivos, melhor qualidade de vida, mais tranquilidade para as pessoas. Acho que a gente tende a vencer dessa maneira. A integração e parceria devem ser fortalecidas cada vez mais.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar