,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • As fases de Nara Leão
  • 'Além da 9': Ronaldo deve ganhar série dirigida por Bruno de Luca
  • Há 55 anos, estreava 1ª novela diária da TV brasileira

Policial por vocação
Cristiani Azanha
02/07/2018 16h32
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
(Claudinho Coradini/JP)
 
 
Apaixonado pela profissão, o delegado Antônio Luís Tuckumantel, tem 40 anos dedicados a Polícia Civil. Ingressou na corporação como investigador de polícia, mas decidiu atuar como delegado de polícia. Passou no concurso logo na primeira vez. Sua primeira tarefa foi um distrito policial de Capão Redondo, considerado, na época, como um dos mais violentos do Estado. Depois atuou nas cidades de Leme, Limeira, Araras entre outras. Se engana quem pensa que isso diminuiu sua dedicação pela carreira que escolheu ao longo dos anos. Sempre foi considerado pelos colegas como um profissional a frente de seu tempo, Quando a proposta era discutir projetos inovadores, lá estava ele com muitas ideais. Foi pai de algumas realizações como a criação de uma delegacia especializada em atender pessoas com deficiência, que conta com uma equipe multidisciplinar que inclui policiais, assistentes sociais, psicólogos, intérpretes de Libras e sociólogos na cidade. O novo diretor do Deinter-9 também faz parte do Conselho da Polícia Civil, cujos integrantes fazem parte da “cúpula” da corporação nas decisões pertinentes à instituição. Nessas reuniões são discutidas o passado, presente e futuro da corporação centenária. Tuckumantel é pirassununguense, pai de quatro filhos e três netos que são seus xodós e assume que é um avô-coruja. Para se afastar do estresse, ele ouve suas músicas. Entre seus intérpretes preferidos estão Nelson Rodrigues e sua favorita Alcione. Ele se considera um eterno romântico e confessa que chega a ser exagerado quando o assunto é música. É dessa forma que o delegado deixa para lá todo o estresse do dia a dia. Já seu seriado preferido é “La Casa de Papel”, uma séria espanhola que fala sobre um grupo de pessoas que planeja durante meses o roubo a Casa da Moeda na Espanha, é considerada uma das mais assistidas no Brasil, no momento. 
 
- Como escolheu sua carreira na Policial?
 
Sempre sonhei em ser policial. Para mim foi uma vocação. Se estivesse oportunidade de voltar ao tempo e fazer uma nova escolha voltaria a ser policial novamente. É uma profissão muito honrada que tem a missão de cuidar das pessoas. Não me vejo trabalhando em outra área. Ser policial faz parte de mim e sou feliz assim.
 
- Por que decidiu ser inicialmente investigador de polícia?
 
Eu sempre tive uma admiração pela polícia, pois sempre considerei que é a polícia quem cuida da nossa sociedade. Graças a Deus eu só tenho bons motivos para gostar da polícia. A minha carreira sempre foi pautada pelo elogio. Porque tudo aquilo que faço ou fiz sempre foi com muito carinho, porque eu gosto. Todas as cidades por onde passei, deixei muitas amizades. 
 
- Qual a sua avaliação sobre Piracicaba?
 
Piracicaba é uma tão importante no contexto do Estado. Quem não gostaria de ser diretor aqui? Eu sou um privilegiado de assumir essa função a frente do Deinter-9. Vamos trabalhar com muita dedicação assim como o Dr Paulo (Afonso Bicudo, ex-diretor do Deinter-9 e atual delegado geral de polícia). Estou muito feliz de assumir a função de diretor do departamento dessa cidade tão querida. Por coincidência do destino, um dos meus filhos vou promovido e será gerente do Santander de Piracicaba.
 
- Piracicaba tem uma característica de atuação conjunta das forças policiais, pretende dar continuidade?
 
Vou continuar nesse mesma linha. Acho muito importante essas ações policiais. Vamos unir forças para melhorar nossa atividade. 
 
- Qual será a sua linha de trabalho?
 
Vou continuar a seguir a linha do antigo diretor que considero que é uma das mais eficientes. Uma das regiões que considero mais problemática não faz parte de Piracicaba, mas fica em Hortolândia, que tem o maior complexo penitenciário do Estado, mas é cuidado pela SAP (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária).
 
- Pretende retomar as operações policiais realizadas no mesmo dia em todas as cidades atendidas no Deinter-9?
 
As operações nasceram na gestão do Dr Kleber (Antonio Torquato Altale, ex-Deinter-9), que tiveram a continuidade posteriormente com outros diretores do departamento. Teve uma delas que 154 pessoas foram presas somente em Limeira. Aqui em Piracicaba vamos fazer de uma maneira melhorada. Acho importantíssimo essas operações.
 
- Como analisa a situação do efetivo da Polícia Civil?
 
Estou tomando conhecimento da situação do quadro do efetivo. É uma questão que não diz respeito exclusivamente à Piracicaba, mas de todo Estado, tendo em vista que muitas pessoas estão se aposentando e a reposição não segue o mesmo ritmo. Tenho uma ideia que será levada ao Conselho da Polícia Civil, que é a criação de um concurso regionalizado, para que as pessoas possam prestar o concurso na mesma região onde mora. O que acontece atualmente é que algumas pessoas prestam o concurso e acabam trabalhando em uma cidade muito distante. Obviamente que com o tempo, esse policial tente fazer uma transferência para alguma cidade mais próxima da família e assim acaba não repondo o efetivo no município de origem. É apenas uma ideia que ainda não sei se pode ser colocada em prática. O assunto levado ao delegado geral de polícia e deverá ser discutido durante a reunião do conselho. A proposta é fazer um concurso regionalizado ou seccionalizados.
 
- Quais são seus planos à frente do Deinter-9?
 
Sou pai de um projeto bem bacana que criamos em Limeira e que deu muito certo, que é os “Vigilantes Noturnos”, que é regularizar esses profissionais com cadastro, pois sabemos que muitos deles aproveitam da oportunidade para cometer crimes. Sabemos que muitos criminosos utilizam as motocicletas como veículo de fuga. Nós não temos policial em cada esquina e o vigilante roda a noite inteira. Ele poderá ser um olheiro da polícia, pois ele anda com o celular e pode ligar com a polícia sempre que identificar algum problema e assim ajuda a evitar o crime. Hoje não há uma estatística de quantos crimes foram evitados, mas funciona muito bem. Unimos também o trabalho da Polícia Militar e Guarda Civil na atuação junto com os vigilantes.
 
- Qual a sua avaliação sobre os trabalhos do Consegs?
 
Nos próximos dias queremos realizar uma reunião com os representantes dos Consegs (Conselhos Municipais de Segurança) para alinhar as atividades e auxiliar na implantação de outras unidades em bairros que ainda não contam com esse tipo de apoio. Vamos apoiar os moradores dos bairros que ainda não tem esse tipo de atividade, pois tudo fica mais fácil de agilizarmos a interação entre as pessoas. Hoje todo mundo se comunica principalmente com o Whatsapp que também pode ser usado para aumentar a segurança das pessoas. Estamos em uma época que as pessoas estão interagindo sempre.
 
- Como nasceu a ideia de criar uma delegacia  especializada em atender pessoas com deficiência?
 
Com muita satisfação participamos da implantação de uma delegacia  especializada em atender pessoas com deficiência, em São Paulo. Na época foi considerada a primeira da América Latina. O projeto conta com uma equipe multidisciplinar com policiais, assistentes sociais, psicólogos, intérpretes de Libras e sociólogos. Poderemos trazer essa delegacia para Piracicaba, e inclusive fazer parceria com universidades para esse tipo de atendimento, que necessita de um acolhimento diferenciado. É possível de ser implantado em Piracicaba, e quem sabe também possa fazer um tipo de atendimento regional, se necessário.
 
- Como é sua atuação de trabalho?
 
Nunca fui em uma Corregedoria e nem pretendo ir, porque a gente ensina a trabalhar correto. Tanto é que trabalhei em São Paulo em um dos lugares mais difíceis de trabalhar e nem assim nunca fui parar em uma Corregedoria. 
 
- Fora da Polícia Civil, quais são suas atividades?
 
Antes de ser policial, eu trabalhei em uma rádio, fui programador. Eu adorava esse trabalho. Aprecio uma boa música. De preferência romântica. Sou um homem eternamente apaixonado. Gosto muito de música. Sempre que posso ouço minhas músicas, seja no carro ou mesmo em casa.
 
- Quais são seus intérpretes favoritos?
 
Nossa, brasileiros, são muitos. Sou do tempo lá de trás, gosto muito de Nelson Gonçalves e Alcione, que é minha cantora favorita e também de Ângela Maria. São músicas tão boas que a gente ouve até hoje. Se começarmos a falar de música vou ficar o dia inteiro. Gosto de música de uma maneira exagerada. Eu quebro meu estresse com a música. Passo o tempo todo ouvindo música.
 
- Você gosta de filmes?
 
Adoro um bom filme e também sou fã de seriados. Atualmente, o seriado que estou assistindo é “La Casa de Papel”. Achei muito interessante.
 
- Quais são seus planos para o futuro?
 
Estou muito confiante e feliz nessa minha nova fase, sempre trabalhei de uma maneira tranquila e com muita dedicação. Quero trabalhar na melhor maneira possível, pois sou assim mesmo, em tudo o que faço sempre faço com muito carinho e amor. É assim que eu sou!
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar