Pets contribuem para o desenvolvimento infantil

Convívio com animais permite desenvolver nas crianças noções de respeito, afeto e empatia com o outro (Foto: Amanda Vieira)

Branco, Liloca e Lilica! Parecem personagens de desenho infantil, mas na verdade são os nomes do cachorro, da tartaruga e da galinha que moram na escola de educação infantil Bem-Te-Vi, em Piracicaba. Além deles, a instituição também abriga dois periquitos, um pintinho, assim como um cavalo de brinquedo, em tamanho real. Todos convivem com os 108 alunos de 6 meses aos 6 anos de idade matriculados no colégio.

De acordo com a psicóloga cognitivo-comportamental Mara Lúcia Madureira, a convivência com bichos é muito positiva e benéfi ca para as crianças. “A companhia de animais diminui o estresse, os estados depressivos, a ansiedade e a pressão arterial”, afi rma. “A relação envolve afeto, proteção, cumplicidade, amor, respeito, alegria e companheirismo”, acrescenta Mara.

O Branco foi escolhido no Canil Municipal para espantar os gatos que queriam sujar o pomar da escola. Já a Liloca foi dada por um ex-aluno que voltou para o Japão e queria deixar alguém da “família” dele no colégio. Os periquitos foram doados por uma mãe cujo cachorro não dava sossego para eles e a Lilica chegou ainda pintinho, cresceu e foi “matriculada” na Bem-Te-Vi.

“Para as crianças, principalmente no processo da adaptação, a presença dos animais é fundamental. Avaliamos esse contato de forma positiva no desenvolvimento dos pequenos”, afirma a pedagoga e psicopedagoga da escola, Marielly Silveira.

Segundo o psicanalista, educador e diretor da Bem-Te- -Vi, Paulo Sérgio Emerique, a convivência com os bichos é prazerosa e cercada de brincadeiras. “As crianças participam dos momentos de cuidados, alimentação, escolha dos nomes e, nós, também os incluímos na proposta lúdica pedagógica, ou seja, nas brincadeiras envolvendo sequência numérica: a galinha (Lilica) do vizinho bota 1, bota 2…”, explica.

Essa relação de afeto e cumplicidade é vista com bons olhos pelos pais dos pequenos. “A criança desenvolve socialização, espontaneidade, noção de amizade e companhia. A Lilica (a Cocó da escola) ajudou demais minha filha nesse processo”, opina a médica veterinária Carolina Moraes Sampaio, mãe da Mariana, de 2 anos.

Para a também médica veterinária Júlia de Lima Flóris, mãe do Raul, de 3 anos, e do Dom, de 1 ano, o contato das crianças com os animais é muito importante. “Além de contribuir para que o organismo crie imunidade, que é comprovado cientifi camente, também fortalece vínculos afetivos, estimula e ensina os pequenos sobre respeito aos animais e meio ambiente”, afirma.

ALÉM DO COMPANHEIRISMO

A proximidade com animais ajuda na formação da personalidade e na compreensão da necessidade de amparo em momentos críticos da vida, destaca Mara Lúcia. “Crianças que convivem com bichos aprendem mais rápido noções de respeito e cuidados, regras de convívio, importância dos vínculos afetivos e o valor das amizades. Crescem mais preparadas para enfrentar a vida”

Ana Carolina Leal

Especial para o Jornal de Piracicaba