Picadas de escorpiões fizeram 135 vítimas neste ano

picada Picada do escorpião amarelo pode até matar. ( Foto: Arquivo /JP)

Início de temperaturas elevadas e a volta do período de chuvas são elementos propícios para a proliferação de insetos e de aracnídeos, entre eles, o escorpião. Nessa época do ano, os cuidados e a atenção devem ser redobrados para evitar riscos para a saúde da família. “No caso de picada, a vítima deve ser avaliada pelo médico mais próximo do local do acidente, que apontará a necessidade de encaminhamento à Santa Casa de Piracicaba, único hospital da cidade que possui o soro antiescorpiônico”, informa o diretor técnico da Santa Casa e superintendente do Plano Santa Casa Saúde, Ruy Nogueira Costa Filho.

A instituição registrou 135 atendimentos por picadas de escorpião ao longo de 2018. A maior incidência foi em março (20 casos) e em setembro (32 casos). “A presença do escorpião se dá porque ele busca um lugar seco para se refugiar. O tipo amarelo (Tityus serrulatus) é o que tem maior presença nas regiões Sul e Sudeste e causa mais acidentes”, disse Nogueira. A picada do escorpião amarelo pode acarretar riscos à saúde e até matar.

O escorpião vive em terrenos baldios com mato e lixo, embaixo de pedras, pilhas de tijolos, telhas e montes de lenha. Dentro das casas, ele pode ser encontrado em lugares escuros e úmidos (buracos e frestas nas paredes, muros, rodapés soltos e forros de madeira). “Invertebrados artrópodes da classe dos aracnídeos, eles se alimentam de aranhas, insetos e baratas e, para prevenir o aparecimento desse animal, é necessário manter a casa limpa, livre de lixo acumulado e entulho”, disse Nogueira.

Outra iniciativa importante é sacudir roupas, sapatos e toalhas de banho antes de usá-los. Verifique também colchões e roupas de cama antes de deitar, afastando sempre as camas da parede.
Nogueira orienta a evitar o acúmulo de lixo e entulho perto de casa; não guardar objetos embaixo das camas e mantê-las afastadas das paredes; manusear com cuidado telhas e tijolos acumulados; atenção redobrada ao pegar lenhas ou quando estiver capinando; usar botas quando estiver pisando em folhas, capim seco e úmido; e preservar os sapos, eles são predadores naturais dos escorpiões. “E em caso de acidentes, levar a vítima para imediata avaliação médica e, se necessário, o devido encaminhamento para a Santa Casa de Piracicaba para receber o soro apropriado”, disse Nogueira.

(Da Redação)