Piracicaba começa o 2º semestre com saldo positivo de empregos

Dos setores que apresentaram saldo positivo, a indústria de transformação teve 151 novas vagas. (Foto: Claudinho Coradini / JP)

Contrariando o resultado pessimista do mês anterior, julho apresentou um saldo positivo de emprego em Piracicaba. De acordo com os dados divulgados ontem pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério da Economia, a cidade fechou o período com 235 novas vagas de trabalho, resultado das 3.423 admissões e 3.188 demissões no período.

Dos setores econômicos acompanhados pelo Caged, os que apresentaram resultados positivos no primeiro mês do semestre, em Piracicaba, a indústria de transformação foi a vedete, com 151 novos postos de trabalho, um resultado bem superior às 85 vagas a menos do mês passado.

O comércio em Piracicaba também deu sinais de reação e fechou julho com 67 novas vagas.

O resultado deste mês de julho também é positivo quando comparado com o resultado verificado em 2018. De acordo com o Caged, há um ano, o semestre começava com apenas 16 vagas positivas resultado do desempenho dos setores da construção civil e agropecuária, que não obtiveram o mesmo resultado no mesmo período deste ano.

REGIONAL

Segundo o Ministério da Economia, todas as regiões do Brasil tiveram crescimento no mercado formal de trabalho em julho. O maior saldo foi na Região Sudeste, com 23.851 vagas de emprego com carteira assinada, crescimento de 0,12%. Em seguida, vêm Centro-Oeste (9.940 postos, 0,30%); Norte (7.091 postos, 0,39%); Nordeste (2.582 postos, 0,04%) e Sul (356 postos, 0,00%).

Das 27 unidades da federação, 20 terminaram julho com saldo positivo no emprego. A maior parte das vagas foi aberta em São Paulo, onde foram criados 20.204 postos de trabalho; Minas Gerais, com 10.609 novas vagas, e Mato Grosso, que teve saldo positivo de 4.169 postos.

Nos sete meses do ano, foram criados 461.411 postos de trabalho (9.600.447 admissões e 9.139.036 desligamentos). Na comparação com o mesmo período de 2018, houve crescimento de 2,93%. O resultado de janeiro a julho deste ano é o melhor para o período desde 2014 (632.224) segundo informou o Ministério da Economia.

Beto Silva
[email protected]