Piracicaba ocupa 2º lugar no país no ranking de gestão

Piracicaba Saúde e segurança precisam melhorar aponta índice. (Aquivo/ JP)

Piracicaba ocupa o 2º lugar no país no rankig de gestão municipal e a 1ª posição no Estado de São Paulo, conforme dados do DGM (Desafios da Gestão Municipal), que avaliou a evolução de 160 indicadores nas áreas de saúde, educação, segurança e saneamento nos 100 maiores municípios brasileiros com mais de 273 mil habitantes. Essa é a terceira edição do levantamento feito pela consultoria Marcoplan, que avaliou os dados públicos dos anos de 2016 e 2017. De acordo com o estudo, Piracicaba é destaque na educação, ocupado a 1ª posição entre as 100 cidades avaliadas. Nos outros setores o município ocupa o 9º lugar em saneamento e sustentabilidade, 14º em saúde e 16º. Em comparação ao último estudo feito em 2007, a cidade deu um salto na área de educação. Naquele ano, Piracicaba ocupava a 21ª posição no ranking das 100 cidades nesta área.

A terceira edição do estudo Desafios da Gestão Municipal revelou grandes diferenças na capacidade de entregar resultados em serviços essenciais à população. Para indicar o desempenho global de cada cidade, a consultoria criou um indicador sintético, composto por 15 indicadores de todas as áreas analisadas. O DGM varia de 0 a 1 e quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho do município.

“Enquanto alguns municípios ficaram focados na agenda de curto prazo, outros conseguiram superar as adversidades do atual cenário e se modernizaram, com planejamento, foco e cooperação. Cidades com estruturas similares entregaram resultados muito distintos. Mais do que reduzir custos, é preciso obter ganhos contínuos de produtividade e eficiência na gestão pública,” destacou o diretor da consultoria, Glaucio Neves, coordenador geral do estudo.

Para permitir comparações equilibradas entre as diferentes cidades que compõem o DGM, os municípios foram reunidos em oito subgrupos, levando em conta a disponibilidade de recursos e a complexidade de gestão. A partir da análise por grupos foi possível quantificar o desafio de determinada cidade em relação ao primeiro lugar do seu grupo nos 15 indicadores. O grupo de cidades semelhantes a Piracicaba é composto pelas paulistas São José do Rio Preto, Jundiaí, São José dos Campos, Sorocaba, São Bernardo do Campo, Praia Grande, Mogi das Cruzes, Bauru, Ribeirão Preto, Taubaté e Guarujá, Maringá (PR), Blumenau (SC), Londrina (PR), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Caxias do Sul (RS), Palmas (TO), Santa Maria(RS), Juiz de Fora (MG). Entre estas cidades, Piracicaba apresentou bons resultados em matrículas na creche e pré-escola, em esgoto tratado, coleta de lixo, coleta de esgoto, assim como no acesso da população à água, mas o município fica atrás de outras cidades do grupo em alguns indicadores analisados, como saúde e segurança, por exemplo.

DESAFIOS — Para alcançar a melhor posição no grupo, Piracicaba precisa alcançar ou superar os indicadores das cidades similares. Na área de educação, por exemplo, o estudo aponta necessidade de melhorar o resultado do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) dos Ensino Fundamentais 1 e 2 e, na área de saúde, reduzir a taxa de mortalidade infantil, além de construir 42 unidades de atenção básica.

O prefeito Barjas Negri (PSDB) avaliou como “muito positivo para o município” o resultado do estudo. Segundo ele, a avaliação é fruto do trabalho e investimos nas áreas apontadas pelo índice. Como exemplo, o tucano destaca o tratamento de esgoto no município que saltou, de 34% em 2006, para 100% em 2014. “Este é o reflexo dos investimentos sociais nos últimos dez anos que reflete na melhora da qualidade de vida”, avaliou.

(Beto Silva)