Piracicaba registra cinco mortes no trânsito por mês

Infosiga alerta que maior parte das vítimas são motociclistas. (Foto: Amanda Viera/JP)

O trânsito de Piracicaba tem registrado quase cinco mortes por mês, desde o início do ano. De acordo com as estatísticas do Infosiga – órgão do Estado de São Paulo que reúne informações sobre mortes e perfil dos acidentes e das vítimas no Estado – nos oito meses deste ano foram 38 mortes registradas em Piracicaba, a maioria delas (58%) nas vias municipais.

O número de mortos no trânsito piracicabano verificado nos oito meses deste ano aumentou 46% em relação aos óbitos ocorridos no mesmo período de 2018. No ano passado, foram 26 mortes no período.

De acordo com as estatísticas do Infosiga, a incidência maior de vítimas motociclistas se mantém. De janeiro a agosto, 15 pessoas que pilotavam ou estavam na garupa de uma motocicleta morreram em acidentes de trânsito na cidade. Do total de mortes, 11 tinham idades entre 18 e 24 anos e 79% eram homens. Outro dado que chama a atenção é o dia da semana em que a maioria dos acidentes ocorreu. Segundo o banco de dados, dez dos acidentes ocorreram aos domingos.

A prefeitura de Piracicaba tem conhecimento dos números e tem realizado ações para diminuir o número de acidentes fatais.

O secretário de Trânsito e Transporte, Jorge Akira, destaca a campanha desenvolvida na cidade voltada – principalmente – aos motociclistas. O tema é “Você já sabe” e tem o objetivo de alertar essa parcela quanto aos riscos e maneiras de evitar acidentes.

Ao analisar o índice de mortes causadas por motos, Akira destaca que são necessárias ações mais contundentes. A regulamentação das atividades de mototaxista e motofretista na cidade foi uma das medidas adotas pelo Poder Público nesse sentido.

“A prefeitura tem, feito o possível para diminuir as mortes, mas não depende só da administração, depende de todos para diminuir esses números”, enfatizou.

O secretário voltou a enfatizar que as mortes no trânsito têm como principal causa a imprudência de motoristas. “O álcool e o abuso da velocidade são os principais fatores causadores das mortes.

“No Estado de São Paulo, 94% dos casos são pelo fator comportamento, aqui são 100%”, afirmou.

 

Beto Silva
[email protected]