Piracicaba registra saldo de 1.100 empregos na indústria

Foto: Freepik

O nível de emprego industrial registrado pela Diretoria Regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) em Piracicaba  atingiu as expectativas dos dirigentes da entidade adiantadas no último balanço do setor. A diretoria de Piracicaba  – composta por oito municípios – apresentou resultado positivo no mês de abril. De acordo com os números divulgados ontem, a variação ficou em 2,30%, o que significou um aumento de aproximadamente 1.100 postos de trabalho.

De acordo com o diretor Homero Scarso, 70% desses postos são provenientes do setor sulcroenergético, gerados com a safra de cana-de-açúcar na região que, neste ano, teve seu início protelado em um mês. O desempenho das contratações deixou a regional piracicabana em segundo lugar no ranking das 36 regionais avaliadas no Estado. Segundo Scarso, Piracicaba ficou atrás de Sertãozinho.

No acumulado do ano, o percentual de aumento é de 2,62%, representando um aumento de aproximadamente 1.200 postos de trabalho. Por outro lado, nos últimos 12 meses, o acumulado é de -1,39%, representando uma queda de aproximadamente 700 postos de trabalho.

Segundo o diretor, o nível de emprego industrial na Diretoria Regional em Piracicaba neste mês de abril foi influenciado pelas variações positivas de produtos alimentícios (11,82%) e produtos de minerais não-metálicos (0,88%), que foram os setores que mais influenciaram o cálculo do indicador total da região.

“Quando comparados os meses de abril dos anos de 2018 e 2019, temos um cenário pior, pois em abril de 2018 o resultado foi positivo em 2,48%, com saldo de 1.150 postos de trabalho”, destacou Scarso.

PERSPECTIVA

Para o mês de maio a expectativa da diretoria do Ciesp é de que  o cenário se mantenha estabilizado, podendo haver – segundo Homero Scarso – um aumento de 250 novas vagas. Em Piracicaba, a análise de 14 setores mostrou que quatro deles obtiveram resultados  positivos, entre eles, o alimentício e o de minerais não-metálicos, seis deles tiveram resultado negativo, como máquinas e equipamentos (-0,44%) e metalurgia (-0,46) e outros dois setores não apresentaram variação no período.