Piracicaba tem 30.451 eleitores facultativos entre jovens e idosos

Foto: Claudinho Coradini

 

Um total de 30.451 eleitores de Piracicaba não será obrigado a votar nas eleições deste ano. Esse grupo é formado por eleitores menores de 18 anos e acima de 70, para os quais o voto é facultativo, conforme prevê a legislação eleitoral. De acordo com os dados disponibilizados no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Piracicaba conta hoje com 811 eleitores adolescentes entre 16 (159) e 17( 652) anos. Já o contingente formado por eleitores entre 70 e 79 anos é de 18.059 pessoas e outros 10.600 com 80 anos ou mais. Em todo o eleitorado piracicabano, o número de mulheres é maior que o de homens, numa proporção de 52,4% contra 47,4% de homens.

O grupo de eleitores em Piracicaba conta ainda com um número de 5.896 analfabetos e outros 12.417 que apenas lê e escreve. Na outra ponta, um total de 75.431 tem Ensino Superior completo, representando 26,01%, seguido de 72.791 eleitores com Ensino Fundamental incompleto (25,195). Na cidade, 18 eleitores com nome social estão aptos a votar, segundo dados do TSE.

Para o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Piracicaba, Jefferson Goularte, quando (hipoteticamente) 10,54% dos eleitores não exercem o direito a voto, pode haver um resultado diferente do esperado. “Quando deixamos de votar, independente da razão, favorecemos ou conduzimos ao cargo um candidato que poderia ser exatamente o que não seria o desejo de nos representar”, afirmou. “Podemos ter um resultado diferente do esperado, não pelo voto, mas sim pelo fato de não votar, considerando a diferença entre um ou outro candidato”, acrescentou o advogado.

O presidente da OAB avalia a apatia de parte do eleitorado como reflexo de anos de visibilidade negativa em vários palcos políticos. “O cidadão vai votar, espera a melhora, e em seguida vê uma situação idêntica a que existia antes das eleições”, pontuou.

“Na nossa jovem democracia, apenas 30 anos, temos fatos lamentáveis, dois impeachments, ex-presidente preso, vários políticos afastados, sendo processados”, exemplificou.

JOVENS — O estudante Marcos Lucas Corrêa, 17, é um dos adolescentes que não abre mão de votar nas eleições de 7 de outubro. Ele disse que acompanha a política e que tem avaliado as propostas dos candidatos. “ Se eu tenho o título (de eleitor) já posso fazer parte da eleição, é preciso ter conscientização”, afirmou. Nessa mesma linha de raciocínio, Natália Franca Arroio, também com 17 anos, declara que vai comparecer à urna pela primeira vez. “ Acho muito importante participar das decisões sobre o futuro no nosso país e o voto é num modo de participar dessa decisão”, justificou.

(Beto Silva)