Piracicaba tem o pior mês em geração de emprego

Cidade fechou junho com saldo negativo de 172 vagas. Foram 3.337 demissões: Regional do Ciesp alerta que o ano deve fechar no negativo. (foto: Claudinho Coradini/JP)

Junho foi o mês do ano com pior saldo de emprego para Piracicaba. De acordo com os dados divulgados ontem pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) a cidade fechou o período com saldo negativo em 172 vagas, resultado das 3.165 admissões e 3.337 demissões no período.

Dos setores econômicos acompanhados pelo Caged, os únicos que apresentaram resultados positivos no útimo mês do semestre, em Piracicaba, foram a administração pública e a agropecuária com 11 e 47 vagas, respecticamente.

Quanto a análise do desempenho do primeiro semestre, a cidade fechou os seis meses com 1077 admissões. Um número bem parecido com o acumulado dos últimos 12 meses, com resultado de 1070.
Já o comparativo com o mesmo período do ano passado, apesar do resultado negativo de 2019, ainda há motivos para se comemorar a diferença entre as demissões nos dois períodos.
Isso porque, em junho de 2018, Piracicaba amargou 619 demissões , no resultado da subtração de 2.938 admissões dos 3.557 desligamentos.

Além de junho deste ano, no mês de março também ocorreram mais demissões que contratações, com saldo negativo de 121 postos de trabalho.

INDÚSTRIA

Setor responsável pelo pagamento de melhores salários, a indústria em Piracicaba vem apresentando queda a geração de emprego.

De acordo com o balanço apresentado pela regiona do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), a cidade fechou o mês de junho com menos 500 vagas.

De acordo com os dados do Caged referentes ao Período, a indústria de transformação perdeu 85 vagas.

De acordo com os números do Ciesp, no ano há um acumulado de 1,26%, representando um aumento de aproximadamente 600 postos de trabalho na indústria.

Nos últimos 12 meses, o acumulado é de -1,76%, representando uma queda de aproximadamente 850 postos de trabalho.

O gerente regional Homero Scarso, adiantou que o ano deve fechar com saldo negativo. Segundo ele, nos meses de março a maio são quando ocorrem as contratações no setor.

 

Beto Silva
[email protected]