Piracicaba tem passeata pelo combate à exploração sexual de crianças

Técnicos da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social junto de crianças, participam da passeata (Foto: Claudinho Coradini)

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social realiza nesta manhã (17/05) passeata em alusão ao 18 de maio – Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A concentração foi agendada para as 8h30, no Mercado Municipal.

A partir do mercado municipal, as crianças e os técnicos, munidos de cartazes, descem a rua Governador Pedro de Toledo até a Rua São José, acompanhados de fanfarra da Associação Atlética Educando pelo Esporte. A passeata termina na praça José Bonifácio. A intenção é dar visibilidade à questão do abuso e da exploração sexual de crianças e adolescentes e assim sensibilizar a sociedade para a temática.

A titular da pasta, Eliete Nunes, conclama toda a sociedade a se unir na luta pela preservação dos direitos de crianças e adolescentes. “A intenção é mobilizar toda a sociedade. É um momento de conscientização. Todos podem ajudar uma criança ou adolescente em situação de risco, denunciando, por exemplo, de forma anônima, pelo disque 100”.

A passeata integra uma extensa programação alusiva ao 18 de maio – Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes. Ao longo do mês, a programação inclui reuniões, rodas de conversa, oficinas, projeção de filmes e palestras para crianças, adolescentes, famílias e seminário para técnicos

As ações querem promover o conhecimento e a sensibilização para o tema e estão em consonância com a campanha Faça Bonito: – Proteja nossas crianças e adolescentes.

MARCO

A Data escolhida para ser do Dia de Combate remete a um crime bárbaro ocorrido em 1973, quando Araceli Cabrera Sanches, de 8 anos, foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradicional família capixaba. A escolha do dia como marco aconteceu em 1998, quando cerca de 80 entidades públicas e privadas reuniram-se na Bahia para o 1º Encontro do Ecpat no Brasil. O evento foi organizado pelo Centro de Defesa de Crianças e Adolescentes (CEDECA/BA), representante oficial do Ecpat, organização internacional que luta pelo fim da exploração sexual e comercial de crianças, pornografia e tráfico para fins sexuais, surgida na Tailândia. O encontro reuniu entidades de todo o país. Foi nessa oportunidade que surgiu a ideia de criação de um Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-Juvenil. O dia se tornou lei, por meio do projeto da então deputada Rita Camata, com numeração 9.970, em 2000.