Piracicaba terá tratamento inédito para prevenção do HIV

A Secretaria Estadual de Saúde anunciou ontem que iniciou a distribuição do medicamento Truvada no SUS (Sistema Único de Saúde). Fornecido como PrEP (terapia pré-exposição), o item será distribuído, conforme critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde, em 14 serviços de saúde no Estado, entre eles o Cedic (Centro de Doenças Infecto Contagiosas) de Piracicaba. Os portadores do vírus, que já fazem uso do coquetel de medicamentos, não terão o tratamento modificado. 
 
A iniciativa prevê, nos dois meses iniciais, a oferta do Truvada a 1.110 pessoas nas cidades de São Paulo, São Bernardo, Campinas, Santos, Piracicaba, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. Segundo o coordenador do Cedic, Moisés Taglieta, a cidade receberá, inicialmente, 10 kits para tratamento preventivo – número que pode ser alterado de acordo com a demanda. 
 
O medicamento é indicado a homens que fazem sexo com homens, mulheres transexuais, travestis, profissionais do sexo que tenham tido relações sexuais sem uso de preservativo nos últimos seis meses e/ou episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e/ou tenham usado repetidamente medicamentos de profilaxia pós-exposição (PEP). Também poderão receber o remédio casais sorodiscordantes para o HIV (quando um parceiro tem o vírus e outro, não) que mantêm ou tenham tido relações sexuais sem uso de preservativos. 
 
Para recebimento, o interessado deve comparecer à unidade de referência de seu município e passar por avaliação para critérios de elegibilidade, incluindo a realização de teste rápido diagnóstico de HIV. Caso o resultado do exame seja negativo e o paciente se encaixe nos critérios estabelecidos para recebimento do tratamento, será indicado a receber a PrEP. Em caso de positividade, o paciente será encaminhado para tratamento e acompanhamento da infecção pelo HIV, como já prevê o fluxo da rede.
 
O Truvada é contraindicado para pessoas com doença renal, porém os locais de referência farão avaliações médicas em todos que procurarem pelo tratamento. O medicamento pode ter efeito colateral leve, como dores de cabeça, náuseas e inchaço. Durante o tratamento, os usuários serão acompanhados pelo serviço de referência. Após o início do tratamento, haverá retorno num período de 30 dias e, depois, a cada três meses.
 
Aos pacientes que aderirem à terapia é recomendado o uso de preservativo durante as relações sexuais, pois a PrEP não protege contra outras doenças sexualmente transmissíveis.