Piracicabanos já pagaram R$ 2,66 milhões em impostos em apenas 2 dias

A Associação Comercial de São Paulo lançou campanha para alertar que o ano brasileiro começa no dia 2 de junho (Foto: Amanda Vieira/JP)

Nos dois primeiros dias de 2020, os piracicabanos pagaram R$ 2,66 milhões em impostos. A constatação é do Impostômetro da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), que aponta ainda um total de impostos pagos na cidade, durante 2019, no valor de R$ 433,156 milhões. No ano anterior, a cifra foi de R$ 418,783 milhões em impostos.

Segundo dados da associação, em 2018 o valor pago pelos brasileiros em tributos somou R$ 2,3 trilhões.



Para o economista da ACSP, Marcel Solimeo, essa marca representa uma carga tributária elevada para o país – se comparada com a renda do brasileiro.

“Acredito que a carga tributária, nos próximos anos, deve permanecer alta. Possivelmente, o único fator que pode colaborar com a diminuição dos tributos é o controle nos gastos. Caso não haja esse esforço, o Brasil continuará tendo impostos elevados e nada disso retorna à população”, diz Solimeo, que complementa: “o esforço que as autoridades vêm fazendo com o teto dos gastos ainda é lento, isso se considerarmos a urgência da redução”.

O economista relembra que, há cinco anos, o Impostômetro fechou em R$ 1,9 tri e, o único caminho para melhorar essa diferença de R$ 600 bilhões, passa por uma melhor gestão das contas públicas.

CAMPANHA

Com o mote “Na Austrália já é ano novo. No Brasil, ainda faltam 153 dias”, a ACSP lançou anteontem a campanha “Novo Ano Novo”.

A ação quer conscientizar os brasileiros ao mostrar que 153 dias do ano são trabalhados para pagar impostos e que apenas a partir do dia 2 de junho que o ano começa. A iniciativa também engloba uma petição on-line.

Com um milhão de assinaturas, a ACSP levará ao Congresso Nacional um Projeto de Lei de Iniciativa Popular para oficializar o dia 2 de Junho como feriado nacional, assim como o dia 1 de janeiro.

Para a Associação transformar a data em feriado nacional é uma forma de ressaltar o valor pago em impostos até a data.

Em 2019, o Impostômetro da ACSP fechou o último dia do ano com a marca de R$2,5 trilhões pagos em impostos. “Hoje o Brasil é um dos países que mais cobra impostos, perdendo apenas para Dinamarca, França e Noruega, mas ao contrário do que acontece nesses países, aqui a taxa de retorno sob impostos ainda é mínima”, explicou Alfredo Cotait, presidente da ACSP.

Beto Silva