Piscina fechada há 14 meses, segue sem definição de obras

Vereadora relata que o projeto para a reforma continua na fase de elaboração pela Secretaria de Obras. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Interditada há 14 meses, a piscina olímpica do Complexo Aquático Municipal “Dr. Samuel de Castro Neves”, segue sem previsão de início das obras de recuperação do espaço de 50 por 25 metros. Em julho, a Selam (Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Atividades Motoras) informou que o projeto de reforma continuava na fase de elaboração e a expectativa do setor era de que a Semob (Secretaria Municipal de Obras) concluísse o projeto para a abertura do processo de licitação ainda naquele mês.

Na semana passada, a vereadora Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (CID), cobrou do Executivo informações atualizadas sobre a reforma que está prevista para o equipamento esportivo.

Em requerimento aprovado na última quinta-feira, a parlamentar questiona quais foram os problemas estruturais apresentados na piscina olímpica que impossibilitaram sua liberação para uso da população.

“Ela será recuperada? Se não, o que será feito?”, pergunta a vereadora, que solicita o laudo técnico da inspeção.

A vereadora disse que o projeto para a reforma continua na fase de elaboração pela Secretaria Municipal de Obras e que a Prefeitura “não tem uma estimativa de quanto vai investir na recuperação da piscina”, que, com dimensões de 50 por 25 metros, “necessita passar por reforma completa”.

“Em abril, uma petição on- -line foi criada para solicitar agilidade da Prefeitura para providências na manutenção e liberação do espaço para a sociedade. Uma parcela considerável da população encontra-se impedida de realizar atividades físicas naquele local”, afirmou. “Qual a situação atual do projeto para a reforma do Complexo Aquático Municipal? A licitação que seria feita até o final de julho, para obras, está em qual fase? Qual o número do processo licitatório?”, questiona a parlamentar.

A Selam informou ontem que o projeto está em fase final de conclusão (arquitetônico, estrutural, hidráulico e elétrico). O mesmo passou por revisões em função do orçamento. “Após a finalização do projeto, por se tratar de uma obra de um custo elevado, já que uma simples reforma não resolveria a situação a prefeitura buscará parceiros da iniciativa privada, emendas parlamentares, Governo Federal e Estadual”, informou.

Beto Silva
[email protected]