PM Ambiental multa madeireira em R$ 288 mil

A Polícia Militar Ambiental multou uma madeireira em mais de R$ 288 mil, após ser acusada de vender madeiras de forma irregular. A ocorrência foi registrada anteontem pela corporação.
 
Durante fiscalização em uma madeireira, no Jardim Nova Iguaçu, os policiais confirmaram que estoque de madeira nativa existente no pátio estava maior que o saldo virtual declarado no DOF (Documento de Origem Vegetal).
 
De acordo com a PM Ambiental, foi constatada a existência de 7,7455 metros cúbicos de madeira que foram ‘adquiridos‘ ilegalmente (estoque em excesso), além da constatação de 953,2639 metros cúbicos de madeira nativa que foram ‘vendidos‘ de maneira ilegal (estoque em déficit).
 
A operação constatou irregularidade e foi confeccionado um auto de infração ambiental, na modalidade multa simples, no valor de R$ 10.860,66 em desfavor da madeireira e representante “por vender madeira, sem licença válida para todo o tempo da viagem, outorgada pela autoridade competente”, conforme parágrafo 1° do artigo 48 da resolução SMA 48/2014.
 
O tenente Ivo Fabiano Morais, que responde pelo 3º Pelotão, sediado em Rio Claro, disse que há 15 dias uma equipe esteve no estabelecimento e constatou que o armazenamento das madeiras estava desorganizado e não possível realizar a fiscalização correta.
 
“Foi concedido o período de 15 dias para que o responsável fizesse a organização correta das madeiras. Durante esse período a madeireira ficou proibida de vender ou adquirir mais madeira”, afirmou o tenente. Segundo ele, após o período, os policiais constataram que a quantidade ainda estava em desacordo com o DOF.
 
 
 
OUTRO CASO—Os policiais também estiveram no mesmo dia, no município de Conchal, onde constataram que outra madeireira também estava com a documentação irregular. No estabelecimento localizado no Jardim Icaraí, 18,4525 metros cúbicos de madeira foram ‘adquiridos‘ ilegalmente (estoque em excesso). Também constataram 24,6375 metros cúbicos de madeira nativa que foram ‘vendidos‘ de maneira ilegal (estoque em déficit). Diante dos fatos, foram elaborados dois Autos de Infração Ambiental, sendo um auto valorado em R$ 5.535,00 por ‘adquirir‘ a madeira e o outro auto valorado em R$ 7.391,25 por ‘vender‘ madeira ilegal.