PM deflagra operação para coibir criação ilegal de aves

 
A Polícia Militar Ambiental realizou anteontem a Operação Passeiriformes na região. Somente em Piracicaba, 32 aves silvestres foram apreendidas em dois endereços no bairro Santa Teresinha. Os responsáveis pelos pássaros foram multados em R$ 4.500 e também responderão por crime ambiental, de acordo com a lei federal 9.605/1998 e as aves foram reintroduzidas na natureza pelas equipes.
 
No primeiro endereço, o próprio morador teria permitido a entrada dos policiais. No interior do imóvel, os policiais encontraram 23 curiós e um bicudo. As aves estavam em gaiolas com alimentação farta e limpa. No entanto, foi constatado que o registro como criador estava desatualizado. Além do fato de que sete curiós filhotes encontram-se sem as anilhas nas patas. Assim que percebeu que os policiais continuariam a fiscalização no interior da propriedade, o morador teria tentado impedir a continuidade dos trabalhos e teria escondido outras três aves das espécies trinca-ferro e coleirinha.
 
Os PMs Ambientais deram o prazo de 15 dias para que o morador regularizasse o plantel junto no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Foram elaborados ainda dois autos de infração ambiental, que totalizaram R$ 2.000, por obstrução de fiscalização e ter em cativeiro.
 
Em ação realizada em outro endereço no mesmo bairro, os policiais encontraram mais três pássaros sem anilhas em outra residência e dois pássaros com origem (anilhas) com indícios de numeração adulterada. Foi elaborado auto de infração ambiental com sanção de multa simples no valor R$ 2.500. Duas aves foram depositadas ao criador e outras três soltas em habitat natural. Providências penais junto à Delegacia de Policia Federal e Polícia Judiciária da área dos fatos para perícia das anilhas e responsabilização por crime ambiental e federal por suspeita de adulteração de selo público. 
 
 
OPERAÇÃO RUA DO PORTO — No mesmo dia, a PM Ambiental fez a Operação Rua do Porto. As equipes flagraram cinco homens em pontos distintos do trecho com cinco quilos de pescado da espécie curimbata. Eles também foram multados em R$ 3.500 por pescar em local proibido, destacando que os infratores ainda responderão na esfera penal nos termos da lei de crimes ambientais e ao pescado e petrechos apreendidos.