PM evita furto ao Banco do Brasil de Charqueada

(arquivo)

A Polícia Militar evitou um furto a agência do Banco do Brasil, no Centro de Charqueada, na madrugada desta sexta-feira (25). Três homens acusados de fazer parte de uma quadrilha especializada nesse tipo de ação foram presos. Um deles é integrante do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção que age dentro e fora dos presídios. Os suspeitos tinham funções distintas e se dividiam na segurança, invasão e levar as ferramentas para a ação criminosa. Todos tinham antecedentes criminais por associação criminosa, furto e roubo.

Segundo a PM, às 4h18 da madrugada, os policiais militares da Força Tática faziam patrulhamento no Centro de Charqueada, quando um morador teria se aproximado e alegou que estava na praça na área central da cidade, quando teriam ouvido alguns homens combinando de invadir uma agência bancária e em seguida saíram em um veículo Fiat Doblo na cor prata.

Os policiais intensificaram o patrulhamento e localizaram o veículo com as mesmas características informadas anteriormente pelo denunciante. Os policiais conseguiram abordar um rapaz de 25 anos e G.H.P., e outro 30 anos, que estavam no interior do veículo.

Ao serem indagados sobre o que faziam na cidade, eles deram informações desconexas, e após questionamentos teriam confessar que estavam na cidade com o intuito de realizar furto na agência do Banco do Brasil.

Segundo a PM teriam confessado que tinham outros comparsas que já estariam nos fundos do banco na área da antiga fábrica têxtil. Os policiais fizeram uma varredura e teriam localizado outro suspeito de 29 anos, que chegou a fornecer nome falso, mas os policiais acabaram descobrindo que ele era evadido do sistema prisional e também fazia parte da organização criminosa.

Os policiais descobriram que cada um teria uma função na ação criminosa. W. Tinha a função de ser motorista e olheiro da parte externa, G. era responsável pela abertura da parede como “homem tatu” e arrombamento do cofre, T. cuidava da segurança e auxiliava G. No entanto, o restante da quadrilha aguardava em outro carro o sinal verde para trazer as ferramentas, mas eles não foram localizados pela polícia.

 

(Cristiani Azanha)