PM registra 220 boletins eletrônicos por mês na cidade

O boletim eletrônico, implantado pelos policiais do 10º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), colocou fim aos fichários de papéis. Desde 22 de janeiro, os policiais passaram a usar a tecnologia como ferramenta para agilizar o tempo de atendimento das ocorrências. No balanço dos dois menos de uso do sistema, foram registrados 1.024 BOs (boletins de ocorrência) eletrônicos, dos quais 662 foram feitos somente em Piracicaba, ou seja, média de 220 por mês na cidade. O restante foi dividido nos municípios de São Pedro (92), Rio das Pedras (73), Capivari (57), Charqueada (47), Elias Fausto (27), Rafard (22), Mombuca (14), Saltinho (13), Santa Maria da Serra (10) e Águas de São Pedro (7).
 
O comandante do CPI-9 (Comando de Policiamento do Interior), coronel Lourival da Silva Júnior, disse que a tecnologia está sendo utilizada a serviço do trabalho policial e em prol da população. “Temos menos tempo de atendimento no serviço e a possibilidade inclusive de tirar fotos, caso necessário. É uma ferramenta muito importante”, disse o coronel.
 
Segundo ele, o sistema também oferece mais conforto ao cidadão, que pode imprimir o próprio boletim de ocorrência a partir de qualquer terminal, usando apenas um número de protocolo, ou mesmo conferir o BO a partir de um smartphone.
 
Antes de iniciarem os trabalhos com a nova tecnologia, os policiais passaram por um treinamento. O primeiro registro do boletim de ocorrência foi feito às 9h do dia 22 de janeiro e finalizado às 9h55.
 
O comandante do 10º BPM/I, tenente-coronel Willians de Cerqueira Leite Marques, disse que o sistema permite maior rastreabilidade de dados e reduz o tempo de deslocamento das viaturas. “O sistema é simples e foi rapidamente assimilado pelos policiais, que passaram a registrar as ocorrências a partir dos TPD (Terminal Portátil de Dados) — os tablets — que estão disponíveis em qualquer viatura da PM”, afirmou Cerqueira.
 
A próxima etapa realizada pela Polícia Militar será a troca dos equipamentos por modelos com tecnologia mais sofisticada. “O planejamento é que a implantação do sistema seja finalizada em toda área atendida pelo CPI-9 até agosto e em todo Estado até setembro deste ano”, afirmou o chefe de Operações do Copom (Centro de Operações da Polícia), tenente Frederico Augusto Marques Faria.
 
No antigo sistema, o policial tinha que anotar manualmente todos os dados, como indiciados, vítimas, objetos apreendidos e histórico da ocorrência. Dependendo da habilidade do PM e da natureza da ocorrência, o procedimento entre início e término durava em média 2h30. Após o novo sistema, esse tempo chegou a 30 minutos.