Polícia Civil desarticula trio que falsificava documentos

Três homens foram presos acusados de fazer parte de uma quadrilha especializada em golpes com documentos falsos. As abordagens aconteceram em duas residências nos bairros Pauliceia e Santa Cecília. Foram apreendidos documentos em branco, centenas de fotos, documentos falsos, computadores e impressora. A apuração que estava sendo realizada há 15 dias foi conduzida pelos policiais civis da Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) com apoio da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), GOE (Grupo de Operações Especiais) e Canil da Polícia Militar. Os golpes também eram Capivari, Elias Fausto, Saltinho e Rio das Pedras.
 
Segundo o investigador da Dise Marcelo, a apuração teve início após uma empresa cair em um golpe. Um estelionatário utilizou documento falso para realizar compras.
 
“Conseguimos descobrir quem era o estelionatário e conseguimos identificar os falsário, ou seja, aqueles que fabricavam e forneciam os documentos falsos, já que nos últimos dias vem crescendo demasiadamente o número de crimes de estelionato com utilização de documentos falsos”, comentou Marcelo.
 
A primeira abordagem foi em um endereço no bairro Pauliceia, onde dois homens foram presos. No local, os policiais apreenderam documentos em branco, holerites. Os suspeitos conseguiram inclusive alugar uma residência em uma imobiliária com os documentos falsos.
 
Segundo a Polícia Civil, o “quartel-general” do esquema ficava na casa de outro suspeito, no bairro Santa Cecília. “No momento da abordagem identificamos que documentos falsos estavam sendo impressos”, completou Marcelo.
 
No local, os policiais encontraram grande quantidade de cédulas de identidade em branco, carteira de motorista, diplomas, comprovantes de residência e muitas fotografias. Alguns documentos tinham as fotos dos três envolvidos no esquema.
 
De acordo com a Polícia Civil, o próximo passo será descobrir a origem das cédulas de documentos, que possivelmente foram desviadas ou furtadas de alguma sede do Detran (Departamento de Trânsito). A suspeita é que o grupo estaria comercializando os documentos falsos pela internet.
 
“A falsificação era bem feita. Eles tinham até mesmo uma chancela com a identificação de IIRGD (Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt), que geralmente são colocados nas fotos de documentos”, afirmou o investigador Marcelo.
 
O inquérito policial que está sendo conduzido pelo delegado Demétrios Gondim Coelho irá tentar identificar os outros envolvidos no esquema. Os três presos vão responder pelas acusações de estelionato e falsificação de documento público. Eles foram conduzidos provisoriamente para a carceragem anexa ao plantão policial.