Polícia Civil investiga se houve crime em incêndio na Casa da Agricultura

O EDA (Escritório de Defesa Agropecuária) de Piracicaba, conhecido como Casa da Agricultura, foi invadido e incendiado durante o fim de semana. De acordo com a direção da unidade, o foco do incêndio foi na garagem, queimando uma geladeira e cadeiras que estavam no local. Apesar de o fogo não ter se alastrado, a fuligem atingiu diversos cômodos, o que fez com que o escritório fosse fechado para limpeza. A Polícia Civil investiga o caso.
 
A PM (Polícia Militar) foi acionada ontem de manhã pelos funcionários da unidade. Segundo o diretor do EDA, Rui Marcos Lopes Correa, a perícia policial apontou, preliminarmente, que o fogo foi ateado antes de domingo. A data não foi precisada. “Pelo o que constataram, o fogo foi ateado na parte de baixo, na garagem. Em uma geladeira, que estava embalada e pertencia ao Ministério da Agricultura, e algumas cadeiras que estavam empilhadas. Esse material, até pela composição dele, gerou uma fumaça muito intensa dentro do prédio. É uma fumaça oleosa, que deixou tudo impregnado”, apontou Correa.
 
Algumas portas foram arrombadas e documentos foram revirados. No entanto, devido a fuligem, ainda não tinha sido possível constatar se algo foi levado. Uma empresa especializada foi contratada para realizar a limpeza do prédio, por isso não há prazo para reabertura ao público. “O risco maior é que tinha um carro perto. Tínhamos mais de 20 carros estacionados na garagem. Se pega fogo nele, tinha destruído o prédio inteiro”, afirmou Correa.
 
De acordo com o BO (boletim de ocorrência), um veículo Logan Renault que estava no local teve a porta do motorista, o porta-malas e a lanterna traseira direita danificadas. A suspeita é de tentativa de arrombamento. Além do EDA, funciona no prédio da Casa da Agricultura uma sala do Ministério da Agricultura e o Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral). O local, que atualmente é de responsabilidade do Cati, não possui câmeras de segurança ou vigias. 
 
De acordo com a CDA (Coordenadoria de Defesa Agropecuária) de Campinas, responsável pela unidade piracicabana, a Cati informou que “todas as providências serão tomadas para que o prédio tenha mais segurança. E que o processo de limpeza está em andamento para que prédio volte o mais rápido possível a atender”.
 
Os produtores rurais que precisarem dos serviços devem procurar a EDA mais próxima. O JP questionou a SSP (Secretaria de Segurança Pública) sobre o resultado da perícia e a investigação do caso, mas não houve retorno até o fechamento desta edição.