Polícia Federal de Piracicaba deflagra Operação Granel

PF Três homens envolvidos com o tráfico foram presos. ( Foto: Divulgação)

A Polícia Federal de Piracicaba deflagrou a Operação Granel contra à repressão do crime organizado e do tráfico interestadual de drogas. Foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva, 12 mandados de busca e apreensão e de mandados de apreensão e sequestro de bens. As diligências ocorreram simultaneamente em Limeira, São Paulo, Arujá, Dourados-MS e Fortaleza-CE.
Segundo a PF, em um dos laboratórios que pertencia ao bando, na área rural de Limeira, a quadrilha contava com processo industrializado desde o preparo do entorpecente até a embalagem. A capacidade de “produção” era de 7.200 embalagens do entorpecente por hora. A polícia também constatou que os envolvidos estavam construindo um cômodo subterrâneo secreto. Em Guarulhos, dez fornos de microondas eram utilizados para secagem das drogas.

INÍCIO — A investigação teve início em agosto de 2017. Durante esse período foram apreendidos 1,1 tonelada de cocaína, 56,7 Kg de maconha, 1,3 tonelada de produtos químicos, um bitrem, dois automóveis e R$103 mil em dinheiro. Foram fechados três laboratórios de preparação de drogas em Limeira, Nazaré Paulista e Guarulhos. Treze pessoas foram presas.

Os laboratórios funcionavam em imóveis rurais e contavam com grande quantidade de máquinas e equipamentos. Os mandados de sequestro e de apreensão de bens se referem a sete imóveis, um automóvel de luxo e dois caminhões, no valor total estimado de R$ 5 milhões. O líder da organização criminosa é natural do Ceará. Ele também possui ligação com facção criminosa que atua em âmbito nacional. Uma mansão em condomínio de luxo em Fortaleza, adquirida de uma pessoa investigada por suposto envolvimento nas mortes de dois membros da facção criminosa, que age dentro e fora dos presídios, no início de 2018, em Aquiraz-CE.

Os presos estão à disposição da Justiça de Limeira e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) de Piracicaba. Eles serão indiciados pelos crimes de organização criminosa, tráfico interestadual de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro. As penas podem chegar a 53 anos de reclusão.

(Cristiani Azanha)