Policiais e bombeiros já podem ser vacinados contra a gripe

Meta da campanha é imunizar 82.307 pessoas que compõem os grupos prioritários (Foto: Amanda Vieira/JP) Meta da campanha é imunizar 82.307 pessoas que compõem os grupos prioritários (Foto: Amanda Vieira/JP)

Os policiais civis e militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas entraram, nesta quinta-feira, na lista de grupos prioritários estabelecidos pelo Ministério da Saúde, para a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe (Influenza). Amanhã, a Secretaria de Saúde realiza o Dia D da Campanha na zona rural, para atender o restante dos grupos prioritários: crianças de seis meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, indivíduos a partir de 60 anos, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (com apresentação da prescrição médica no ato da vacinação).

A estrutura de atendimento à população será composta por cinco UBSs (Unidade Básica de Saúde), as de Tanquinho, Anhumas, Ibitiruna, Artemis e Santana, além de mais 36 pontos fixos e 9 postos volantes.

No mesmo dia, serão abertos outros três pontos de vacinação na zona urbana. São eles: Supermercado Jau Serve, (rua Capitão Emidio, 537, São Dimas), que funcionará das 8h às 13 horas; Terminal Central de Integração (av. Armando Salles de Oliveira, 2001, Centro), que funcionará das 8h às 13h30, e Supermercado Ideal (rua Corcovado, 70, Santa Teresinha), que funcionará das 8h30 às 14h.

A meta da campanha é imunizar 82.307 pessoas, 90% de um público estimado de 91,4 mil pessoas, que compõem os grupos prioritários. A Campanha Nacional Contra a Gripe prossegue até 31 de maio.

Para Pedro Mello, secretário municipal de Saúde, é fundamental que as famílias compreendam a importância da vacina para o bem de toda a cidade, uma vez que o contágio se dá por via respiratória e por contato, o que facilita a disseminação do vírus nessa época do ano. “Devemos ter uma atenção especial aos grupos prioritários, mas o estímulo para que a vacinação abranja o público-alvo esperado deve ser de todos, porque somente com esta corrente proativa em favor da imunização conseguiremos evitar problemas mais graves”, explicou.

Da Redação