Preço do botijão de gás sobe 8,5% hoje

Preço Em Piracicaba, o preço deverá chegar a R$ 81 com o novo aumento, ( Arquivo/JP)

O preço do botijão de gás de cozinha vai ficar 8,5% mais alto a partir de hoje. Em Piracicaba, o preço varia de R$ 70 a R$ 75 – para entrega em domicílio – e deverá ser elevado para um valor entre R$ 75 e R$ 81. A Petrobras argumenta que os principais fatores para determinar o aumento do preço foram a desvalorização do real frente ao dólar e as elevações nas cotações internacionais do GLP (gás liquifeito do petróleo – gás de cozinha). A referência para formular a política de preços da Petrobras, informa a companhia, continua a ser a média dos preços do propano e do butano comercializados no mercado europeu, acrescida da margem de 5%.

O preço de venda, na média nacional, sem tributos, nas refinarias da companhia, passará para R$ 25,07. O novo preço representa elevação de 8,5% (ou R$ 1,97) no preço atual de R$ 23,10, praticado desde julho. A Petrobras afirma que, no ano, a alta é de R$ 0,69, ou 2,8%, uma vez que houve duas reduções nos preços (em janeiro e abril) antes do reajuste de julho e novembro.
Proprietário da revenda Portal Água e Gás em Piracicaba, o comerciante Manoel Aparecido dos Santos entende que o valor praticamente triplica da refinaria até o consumidor final porque passa por três mãos (distribuidora, atacadista e revendedor) e todas tributadas. No final das contas os revendedores, como ele, sempre veem suas margens serem reduzidas a cada reajuste. “O preço que deveria ir para R$ 81, no final das contas é arredondado para R$ 80 e nós sempre perdemos”, afirmou.

METODOLOGIA – O objetivo da metodologia de preços da Petrobras visa “suavizar os impactos derivados da transferência da volatilidade externa para os preços”. “O mecanismo concilia, de um lado, a necessidade de praticar preços para o GLP referenciados no mercado internacional e, de outro, a Resolução 4/2005 do Conselho Nacional de Política Energética que ‘reconhece como de interesse para a política energética nacional a comercialização, por produtor ou importador, de gás liquefeito de petróleo (GLP), destinado exclusivamente a uso doméstico em recipientes transportáveis de capacidade de até 13kg, a preços diferenciados e inferiores aos praticados para os demais usos ou acondicionados em recipientes de outras capacidades’”.

(Rodrigo Guadagnim)