Preços nas alturas

O jeito é seguir as recomendações dos economistas. Pesquisar sempre, para tentar encontrar preços mais atrativos

Quem é que gosta de aumento de preços? Ninguém, com certeza. Levantamento feito pelo jornalista Felipe Poleti publicado nesta edição demonstra que o etanol aumentou 10% nas bombas da cidade nas quatro últimas semanas. O preço médio saltou de R$ 2,39 para R$ 2,63. Somente na última semana (9 a 15 de setembro), o prédio oscilou nas bombas entre R$ 2,37 e 2,79.
O fato curioso é que o litro do etanol subiu mais do que a gasolina. Este derivado de petróleo teve um reajuste de 4,26% em um mês, subindo de R$ 4,23 para R$ 4,44 nas bombas. Somente na última semana, o litro da gasolina variou entre R$ 4,19 e R$ 4,59. Os preços estão nas alturas.

Quem depende de veículo para trabalhar, está sentindo esses aumentos no bolso. A explicação para o reajuste do etanol é que houve uma quebra na safra da cana de açúcar, em virtude da estiagem prolongada. Em resumo, faltou água para o desenvolvimento da cana de açúcar, matéria-prima usada na fabricação do combustível verde. No caso do combustível fóssil, houve mudança na política da Petrobras, e os preços variam conforme a cotação internacional do barril do petróleo.

A 17 dias das eleições gerais para os cargos da esfera federal e estaduais, o cenário ainda é de muitas incertezas. E essas oscilações podem continuar. Não resta muita alternativa aos consumidores. O jeito é seguir as recomendações dos economistas. Pesquisar sempre, para tentar encontrar preços mais atrativos. Em Piracicaba, com a concorrência acirrada, há postos que reduzem a margem de lucro para ganhar no volume.

Claro, abastecer em posto de confiança, que não adultera combustível, para render mais. Ou aproveitar que amanhã será comemorado o Dia Sem Carro e começar a pedalar ou ir trabalhar a pé. Isso para aqueles que têm condições de trocar o carro por práticas mais saudáveis. Para aqueles que não têm condições de fazer a substituição, o jeito é, de novo, tentar absorver mais esse reajuste, que impacta diretamente no orçamento doméstico.

(Claudete Campos)