Prefeitura assina convênios para três policlínicas

A superintendência regional da CEF (Caixa Econômica Federal) publicou ontem, no Diário Oficial da União, a assinatura de três convênios entre o Ministério da Saúde e o Fundo Municipal de Saúde para a construção de policlínicas na cidade. Ao todo, o município vai receber R$ 3 milhões e terá de aplicar R$ 229 mil em recursos próprios, como contrapartida. A aprovação dos pedidos de verba pelo Governo Federal foi revelada pelo Jornal de Piracicaba no final de 2017.
 
Até dezembro de 2022, a prefeitura precisa prestar contas sobre o dinheiro investido, comprovar a conclusão e o funcionamento das três obras.
 
No Água Branca, a administração pretende construir um prédio de 309 metros quadrados, com capacidade para 40 mil pessoas de seis bairros. Serão oferecidos atendimentos nas áreas de cardiologia, ortopedia e pediatria. A ideia é ter médicos e residentes, além de enfermeiros e técnicos de enfermagem contratados por concurso público.
 
A unidade do Parque Piracicaba será maior e terá um caráter “misto”. Além das mesmas especialidades previstas no Água Branca, contará com sala de observação, curativos, inalação e vacinação. O prédio deve ter 850 metros quadrados e está orçado em R$ 1,8 milhão. Para justificar o empreendimento, a prefeitura alegou que, recentemente, foram entregues apartamentos populares do programa Minha Casa Minha Vida, que adicionaram quase oito mil habitantes à região.
 
A terceira unidade com recursos do Ministério não teve o bairro de construção indicado na proposta de convênio. Procurada por meio de sua assessoria de imprensa, a Secretaria de Saúde também não respondeu onde pretende erguê-la. O investimento é de R$ 679 mil. 
 
EM LICITAÇÃO — Primeira proposta do tipo aprovada pelo Governo Federal, a policlínica do bairro Santa Rita — Avencas teve a licitação para as obras autorizada ontem pelo prefeito Barjas Negri (PSDB). O investimento será de R$ 680 mil: R$ 500 mil de emenda do deputado federal José Aníbal e R$ 180 mil da prefeitura. Atualmente, o bairro conta com uma USF (Unidade Saúde da Família), em uma casa alugada, na rua Joaquim José da Silva, 67. A policlínica, em sede própria, ficará na rua Antonio Elias.
 
A previsão é que a obra seja iniciada no primeiro semestre de 2018 e concluída em 180 dias. “A construção de uma unidade própria segue a filosofia do atual governo, de possibilitar atendimento padronizado e de qualidade à população”, afirmou o secretário de Saúde, Pedro Mello.