Prefeitura prorroga prazo para entrega de obras do Teatro Dr. Losso Netto

A Prefeitura de Piracicaba decidiu prorrogar, por 60 dias, o prazo para que a empreiteira Novaven entregue as obras de reforma do Teatro Municipal Dr. Losso Neto, fechado há cinco anos. Com isso, as intervenções que deveriam ser concluídas no final deste mês devem ficar prontas em março.
 
A empresa foi contratada em agosto do ano passado por R$ 909 mil para executar as adequações necessárias para que o prédio — construído em 1978 — obtenha o AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros). O prazo original era de 120 dias, contados a partir da emissão da ordem de serviço, que aconteceu em setembro de 2017.
 
Segundo a assessoria de imprensa da SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo), Pasta responsável pelo Teatro, o pedido de prorrogação partiu da empresa e recebeu aval da Procuradoria Jurídica do município. “Havia uma expectativa de conclusão das obras para este mês, mas como se trata de uma intervenção bastante técnica, houve um atraso”, relatou em nota.
 
A pasta não informou a data prevista para reinauguração do espaço cultural. Segundo a titular da SemacTur, Rosângela Camolese, isso será definido quando a obra for entregue. “Eu sempre ressaltei que seria difícil concluir em dezembro ou janeiro. Sempre que se conclui uma obra como essa, são necessários alguns ajustes”, afirmou.
 
O contrato prevê a instalação de corrimãos e detector de fumaça, retirada de cadeiras para estabelecer rota de fuga, colocação de novo carpete antichamas e reparações elétrica e hidráulica. Essas modificações complementam as que já foram realizadas nas primeira e segunda etapas das obras. Também será instalada a plataforma hidráulica do fosso operístico.
 
IMPASSE — As obras da terceira etapa da reforma começaram no segundo semestre de 2017, depois de a prefeitura cancelar um edital de licitação que previa intervenções no teatro orçadas pela administração anterior em cerca de R$ 5 milhões. O prefeito Barjas Negri (PSDB) alegou que o orçamento aprovado para o ano passado contava com R$ 760 mil para o projeto. Com o contingenciamento de despesas decretado pelo próprio chefe do Executivo — de 70% nos investimentos — esse montante caiu para R$ 228 mil. Após estudo da SemacTur, o projeto foi readequado para a nova realidade financeira e a concorrência pública para execução das obras foi reaberta.