Projeto do PCJ quer garantir abastecimento nos próximos 20 anos na Bacia do Rio Corumbataí

Foto:Amanda Vieira/JP

 

Da Redação

A versão definitiva do diagnóstico da Bacia do Rio Corumbataí foi apresentada ontem pela Agência das Bacias PCJ e servirá de base para o planejamento de ações futuras. A atividade fez parte da segunda etapa do estudo de alternativas de abastecimento de água nesta região, que abrange nove municípios: Analândia, Corumbataí, Cordeirópolis, Charqueada, Ipeúna, Itirapina, Piracicaba, Rio Claro e Santa Gertrudes.
O projeto tem como objetivo a prevenção à crise hídrica e o levantamento de formas alternativas para se garantir o abastecimento de água. A empresa responsável é a Engecorps Engenharia, e o investimento é de cerca de R$ 480 mil, com recursos provenientes da Cobrança PCJ Federal (cobrança pelo uso da água em rios de domínio da União).
De acordo com o projeto, as alternativas de abastecimento compreendem ações estruturais e não estruturais para compatibilizar as disponibilidades e demandas e solucionar conflitos em horizontes de curto prazo (5 anos) até longo prazo (20 anos).
As alternativas deverão, no mínimo, considerar a possibilidade de reúso de água, novos barramentos e captação subterrânea (aquífero Guarani ou outros aquíferos). Para cada conflito deverão ser apresentadas no mínimo duas alternativas. Após a aprovação das alternativas, deverão ser apresentadas as ordens de prioridades das obras e ações a serem implantadas.
“O Estudo do Uso dos Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí visa estabelecer cenários e planejar alternativas de abastecimento de água para os municípios pertencentes a esta bacia em virtude do crescimento populacional que ocorrerá nos próximos anos. É uma ferramenta muito importante para o planejamento e direcionamento de ações para estes nove municípios e visa atender as demandas pela água para os próximos 20 anos”, destacou a coordenadora de Projetos da Agência das Bacias PCJ e gestora do contrato, Elaine Franco de Campos.
O diagnóstico teve como finalidade a caracterização de toda a bacia e subsidiará as etapas seguintes, de identificação de alternativas para o abastecimento de água e de indicação em planta das alternativas viáveis. “Foram enfatizadas a dinâmica de uso e ocupação do solo, bem como as condições do saneamento básico e dos aspectos de qualidade e quantidade dos recursos hídricos na bacia, a fim de identificar as claras condições atuais dos recursos hídricos, superficiais e subterrâneos, da Bacia do Rio Corumbataí”, explicou a coordenadora.
Ela  ressaltou que os principais dados levantados nesta segunda etapa foi com relação aos aspectos da Bacia do Rio Corumbataí, tais como clima, hidrografia, geologia, geomorfologia, pedologia, hidrogeologia; descrição dos biomas e remanescentes florestais, entre outros.