Projeto Heroica recruta padrinhos e madrinhos para as beneficiadas

Simone Seghese de Toledo é advogada e presidente do Projeto Heroica (Crédito: Claudinho Coradini/JP) Simone Seghese de Toledo é advogada e presidente do Projeto Heroica (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

O Heroica está recrutando profissionais de vários segmentos para atuarem como padrinhos e madrinhas das mulheres em situação de vulnerabilidade que são atendidas pelo projeto. Somente em 2018, mais de 100 mulheres foram atendidas pelas voluntárias. O período de acompanhamento dura três meses.

A presidente do Heroica e advogada, Simone Seghese de Tolefo disse que o projeto é bem amplo e atende todas as áreas. Atualmente, o projeto conta com o núcleo de Saúde (que conta com nutricionistas, fisioterapeutas), Psicologia (que engloba tanto os profissionais como universitários da área), Direito e Gestão do Trabalho.
“Temos algumas salas no Balaminut que foram cedidas para o projeto. Poderemos realizar cursos com vagas limitadas para dez ou 20 mulheres, onde profissional de qualquer área pode ceder algum tempo para fazer alguma capacitação. Pode ser noções de empreendedorismo, contabilidade, psicologia. Bem como artesanato, ou profissionais que possam ensiná-las a fazer bolos de pote ou salgadinhos, como uma nova opção de renda”, afirmou Simone.

A presidente disse que hoje, o projeto não tem todos esses profissionais hoje. “É muito legal fazer algo na área social. Se todo profissional doar apenas um dia no mês para a caridade, como médicos, fotógrafos, cabeleireiro, chef de cozinha, entre outros. Imagina como seria o nosso Brasil”, enfatizou Simone.

OBJETIVO

Para a presidente, o Heroica tem o objetivo de desvendar os olhos e que as mulheres percebam o quanto são fortes. “Queremos enfatizar que as mulheres podem tudo e que não precisam depender de ninguém. Nem do pai, nem de um relacionamento, nem dos filhos e que inclusive, pode ficar muito bem sozinha.

As metas para 2019 do projeto é aumentar o número de assistidas. Entre as prioridades será continuar o trabalho realizado com as reeducandas do CR (Centro de Ressocialização) Feminino “Carlos Sidnes de Souza Cantarelli” de Piracicaba. O trabalho com as presas começou no ano passado. A primeira turma tinha 25 mulheres. Durante cinco encontros, elas receberam uma preparação psicológica para encarar de cabeça erguida a sociedade depois de cumprirem as respectivas penas.

As pessoas que quiserem conhecer um pouco mais sobre o projeto ou integrar a equipe de voluntários deve entrar em contato com a advogada pelo e-mail projetoheroica@gmail.com, ou pelas redes sociais Facebook ou Instagram.

Cristiani Azanha