Qualidade de vida é boa ou ótima para 44%

vida Pesquisa do Indsat levou em conta o terceiro trimestre do ano. ( Foto: Amanda Vieira/JP )

Pesquisa do Indsat (Indicadores de Satisfação dos Serviços Públicos) no terceiro trimestre aponta que 44% dos moradores entrevistados acha a qualidade de vida em Piracicaba é ótima ou boa. De acordo com o órgão responsável pelo estudo, a qualidade de vida manteve o alto grau de satisfação nos três meses avaliados e 10% dos consultados responderam que é ruim ou péssima. A qualidade de vida de Piracicaba é classificada como regular para 46% dos entrevistados.

Em Piracicaba, foram entrevistados 400 moradores. Para atribuir um índice de satisfação, a Indsat utiliza uma metodologia exclusiva de classificação baseada nos critérios de “ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” e “péssimo”. A partir dos dados, o instituto concluiu que a qualidade de vida recebeu 662 pontos neste trimestre.

O índice de satisfação está estabilizado em relação aos levantamentos anteriores. Piracicaba passou a fazer parte da cobertura trimestral do órgão no último trimestre de 2017. Na época, a qualidade de vida registrou 684 pontos. No levantamento seguinte, a pontuação chegou a 696 pontos.

No 2º trimestre deste ano, a satisfação apresentou leve queda e o segmento fechou o período com 666 pontos. O atual índice é o menor já registrado. Mesmo assim, a cidade conseguiu garantir Alto Grau de Satisfação no segmento.

Nos levantamentos da Indsat, Piracicaba é destaque em setores como iluminação, cultura, geração de empregos e limpeza pública, por exemplo. Ao todo, são analisados 16 serviços públicos a cada três meses. O instituto busca analisar a percepção dos moradores em relação à qualidade de vida em 36 cidades do Estado de São Paulo.

PERFIL – A pesquisa também apresentou os índices de satisfação de acordo com a faixa etária e escolaridade dos entrevistados. A aprovação da Qualidade de Vida é maior entre pessoas com idades entre 31 e 50 anos de idade e moradores que possuem ensino superior. Piracicaba é uma das 12 cidades da região que são estudadas pela Insat trimestralmente. As dez maiores cidades do Estado de São Paulo e os 15 maiores municípios da RMC (Região Metropolitana de Campinas) também fazer parte da cobertura do instituto.

(Beto Silva)